MAIS FÉRTIL: Alimentação X Fertilidade

O sonho de ter um bebê pode ser mais difícil para alguns casais. Estima se que esta dificuldade acometa entre 8% a 12% dos casais em idade fértil. Vários são os fatores que podem contribuir para a infertilidade do casal, sendo que a obesidade, a alimentação inadequada e as deficiências nutricionais podem trazer prejuízos tanto aos gametas femininos (óvulos) quanto aos gametas masculinos (espermatozoides). Por isso hábitos de vida saudáveis e uma alimentação balanceada podem contribuir de forma significativa para a melhora da fertilidade.

A obesidade é medida na prática através de um cálculo que utilizamos o peso e a altura, sendo que valores de IMC (índice de massa corporal) acima dos parâmetros da normalidade podem trazer prejuízos à saúde tanto do homem quanto da mulher, pois o tecido adiposo em excesso no organismo é considerado tóxico e interfere tanto na qualidade dos gametas femininos e masculinos, como na comunicação necessária para o controle do ciclo ovulatório da mulher (ciclos regulares).

Dhoje Interior

Uma dieta saudável deve ser elaborada com a exclusão de alguns alimentos, considerados não tão bons para a saúde e a inclusão de outros alimentos, ricos em nutrientes específicos e antioxidantes importantes para diminuição do estresse oxidativo no organismo.
Dentre os alimentos considerados não tão saudáveis e que devem ter seu consumo diminuído ou até serem excluídos da dieta podemos citar: álcool, açúcar, gorduras trans, alimentos processados, cafeína e carne vermelha em excesso.

O ideal para os consumidores de café seria a ingestão de, no máximo, duas xícaras pequenas de café ao longo do dia e o consumo da carne vermelha intercalada com o consumo de outras proteínas importantes como o frango e o peixe.

Para melhorar a fertilidade através da alimentação é recomendado o consumo de alimentos capazes de estimular a produção hormonal e consequentemente favorecer a produção e liberação de óvulos e espermatozoides viáveis, como frutas, verduras, legumes, proteínas magras, cereais integrais, leguminosas e oleaginosas.

Segundo a nutricionista Fernanda de Oliveira, especialista em nutrição clínica e com atuação em casais inférteis, as mulheres necessitam de alguns nutrientes específicos para fertilidade como o ômega 3 e a coenzima Q 10 importante no processo de maturação folicular e que podem ser encontrados em alimentos como as sementes de chia ou de linhaça, gergelim, peixes (sardinha, atum, salmão) e oleaginosas.

Vitaminas do complexo B importantes para produção hormonal encontradas em folhosos verdes escuros (espinafre, couve, rúcula, agrião), ovos, carnes, peixes, nozes, cereais integrais. Zinco, mineral essencial para o amadurecimento do oócito e sua capacidade de divisão celular, presente em alimentos como espinafre, gema de ovo, castanhas, nozes, amêndoas, frutos do mar, frango, carne vermelha. Vitamina D também importante na modulação da produção hormonal, sendo a exposição ao sol por 15 minutos diariamente uma excelente forma de manter seus níveis adequados no organismo. E outras vitaminas antioxidantes, capazes de combater os radicais livres, como as vitaminas A, E e C encontradas em alimentos como cenoura, mamão, laranja, limão, banana, abacaxi, castanhas, folhosos, brócolis, tomate e outras frutas e legumes.

No caso dos homens, a nutricionista também ressalta atenção especial, a alguns nutrientes da dieta como o zinco um mineral de extrema importância, que atua no metabolismo hormonal (produção adequada de testosterona), na formação, na maturação, quantidade e motilidade dos espermatozoides.

A coenzima Q 10, um importante antioxidante que atua na melhora da motilidade dos espermatozoides. E outras vitaminas antioxidantes como a vitamina A, E e C, que atuam na qualidade e morfologia espermática. Minerais como selênio, magnésio e cobre que também apresentam importância na qualidade dos gametas masculinos e são encontrados em alimentos como: castanha do pará, castanha de caju, peixes, ovos, abacate, aveia, amêndoas e chocolate amargo.

Portanto, mudanças nos hábitos de vida, uma alimentação adequada e a suplementação de vitaminas e minerais quando necessários são fatores que contribuem de forma muito positiva para a fertilidade do casal e o sucesso da gestação tanto de forma natural como nos processos de fertilização in vitro.

Por Luiz Fernando Gonçalves Borges – médico ginecologista e obstetra, pós-graduado em Reprodução Humana.