Justiça mantém condenação a dono de academia onde aluno se afogou em Rio Preto

O Tribunal de Justiça de São Paulo manteve condenação ao proprietário de uma academia de Rio Preto (SP) no caso do menino, de 11 anos, que se afogou ao ter sua mão presa no ralo da piscina. O caso foi em 2016 e dono do local, que havia entrado com recurso, foi condenado a pagar uma indenização de R$ 200 mil.

De acordo com a decisão, o dono da academia foi condenado lesões corporais gravíssimas e, além do valor indenizatório, a Justiça também determinou que ele prestasse serviços à comunidade.

Dhoje Interior

Mateus Jianjulio Miguel, na época com oito anos, estudava em período integral em uma escola e, por meio de um convênio que a escola tinha com a academia, que fica em frente da instituição, fazia natação duas vezes por semana.

Em uma aula de natação, o menino acabou ficando com a mão presa num ralo que fica no fundo da piscina até o socorro de um professor. Mateus se afogou, teve uma parada cardiorrespiratória e lesões na dicção e também nos músculos. Após tratamento, ele voltou a andar e apresenta apenas um pequeno déficit na fala.

Durante investigação, a perícia constatou que o ralo não tinha uma tampa de proteção próxima ao dreno, o que acabou fazendo com que a mão do menino fosse sugada.

A decisão do TJ concluiu que o proprietário da academia é responsável pelo acidente, visto que o fato poderia ter ocorrido com outros alunos do local e, que o estabelecimento não estava com as normais legais em conformidade.