Justiça do trabalho propõe acordo para evitar greve dos Correios

Foto Divulgação

Agora os sindicatos irão se reunir com os funcionários para detalhar a proposta, já que o acordo foi enviado horas antes da categoria iniciar uma paralisação nos serviços
No final da tarde de ontem, a Justiça do Trabalho propôs um acordo entre Correios e carteiros para evitar uma nova greve dos empregados da estatal, anunciada para esta semana. A proposta é que os Correios paguem reajuste salarial integral da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), e não apenas 60% desse indicador, como a empresa propôs aos empregados.

Segundo o secretário geral do Sindicato dos Correios, Sérgio Luiz Pimenta a categoria precisa analisar com calma o que está sendo apresentado. “Trata-se de uma proposta de conciliação, que é 100% do INPC e a rendição do acordo coletivo, salvo a questão do plano de saúde que foi alterado em abril desde ano. Os trabalhadores estão passando por uma situação difícil por consequência dos custos dos planos de saúde que foram impostos por eles. Agora, cabe a maioria dos sindicatos aprovar a proposta em assembleia e também depende da empresa aceitar o que foi apresentado. Teremos uma assembleia hoje e iremos debater o assunto.”

Representantes dos trabalhados e os Correios terão até o dia 9 de agosto para decidir se aceitam não a proposta. Caso uma das partes não aceite, a questão será encaminhada para julgamento.

Em julho, os Correios apresentaram proposta de reajuste salarial de 60% do INPC, o que representa aumento em torno de 2,21%, menos que o índice cheio que registra alta de 3,68% em 12 meses.

Essa proposta foi rejeitada em assembleia dos trabalhadores em 26 de julho, quando também programaram nova assembleia nesta terça-feira para eventual greve.

 

Por Jaqueline BARROS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS