Justiça condena a 71 anos de prisão dois integrantes no assalto do Walmart

Dois dos quatro assaltantes membros de uma quadrilha que invadiram um hipermercado em dezembro de 2016 que fica na avenida Alberto Andaló região central de Rio Preto, eles foram condenados a 71 anos de prisão e a sentença cabe recurso no Tribunal em São Paulo. Robson Godoy da Silva e Egberto Cardoso dos Santos, juntos eles vão cumprir a pena pela pratica de organização criminosa, latrocínio (roubo seguido de morte), entre outros crimes. A decisão foi publicada nesta terça-feira (05) pela juíza da 1º Vara Criminal Luciana Cassiano Zamperlini Cochito.

O processo se desenrola no Fórum Central da cidade há pelo menos 1 ano e seis meses, quando a promotoria pediu a quebra do sigilo telefônico dos acusados. Outras pessoas do bando morreram durante ação policial, Luiz Thiago Eloy, Pedro Santos Rocha e Emerson Santana da Costa.

Durante as investigações concentradas na DIG (Delegacia de Investigações Gerais), o corréu Robson confessou a prática delitiva, informando que aceitou convite de um amigo, vulgo “cabeça”, para trazer um veículo Honda/Fit, preto, de São Paulo para esta cidade, onde praticariam um assalto. Enfrentava dificuldades financeiras e aceitou a proposta, sendo que, segundo “cabeça”, receberia entre R$10 e R$15 mil, caso o assalto ocorresse sem problemas. Recebeu o veículo de um amigo de “cabeça”, bem como a quantia de R$550 utilizada para abastecer e adquirir passagem de ônibus para retornar para São Paulo.

Em Juízo, passando a negar qualquer envolvimento com os fatos. Esclareceu que na noite anterior estava em um bar, conversando com amigos, quando relatou que enfrentava problemas financeiros.

Já o comparsa Egberto também E negou qualquer participação com os fatos. Esclareceu que enfrentava dificuldades financeiras, inclusive devendo pensão alimentícia, com risco de ser preso, razão pela qual solicitou um empréstimo ao amigo Cleiton. Combinou de se encontrar com Cleiton na frente de uma loja de departamentos, onde receberia o dinheiro.

“Não há dúvidas, portanto, que os acusados Godoy e Cardoso praticaram o crime de latrocínio tentado, contra três vítimas, pois a intenção deles era o de praticar homicídio para garantir a subtração dos valores da empresa vítima, o que não se concretizou por circunstâncias alheias à vontade deles”. Afirmou a magistrada na sentença. A reportagem do DHOJE não conseguiu localizar a defesa dos acusados e o espaço continua aberto.
(Colaboração: Guilherme Ramos)

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS