Jaguatirica passa por cirurgia e se recupera no Zoo

Parceria entre órgão do Meio Ambiente e Hospital Veterinário salva mais um felídeo da fauna silvestre da região

O Zoológico Municipal, órgão da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, em parceria com o Hospital Veterinário da Unirp, comemora mais um caso de sucesso na recuperação de um animal silvestre, vítima de atropelamento com fratura grave, desta vez uma jaguatirica.

A jaguatirica (nome científico: Leopardus pardalis), uma fêmea de aproximadamente 2 anos de idade, foi atropelada na cidade Santa Albertina, resgatada pela Polícia Militar Ambiental de Fernandópolis e encaminhada para o Zoológico no dia 9 de maio.

Após ser estabilizada e examinada pela equipe de biólogos e veterinários do Zoo, foi constatada fratura no fêmur. O animal foi encaminhado ao Hospital Veterinário da Unirp onde foi submetido a uma cirurgia ortopédica no dia 12 de maio. O felídeo retornou para o Zoológico onde teve uma recuperação excelente e hoje está de alta médica.

Provavelmente passará por uma última avaliação para ver se será necessário remover a placa que foi utilizada na cirurgia, porém em breve deverá ser solta na natureza. A jaguatirica está em espaço aberto à visitação no Zoológico Municipal, de terça a domingo das 9h às 17h. O endereço é R. José Deguer, S/N – Jardim Nazareth.

Sobre a espécie

A jaguatirica (nome científico: Leopardus pardalis) é um mamífero carnívoro da família Felidae e gênero Leopardus. São reconhecidas 10 subespécies, e o gato-maracajá(L. wiedii) é a espécie mais próxima da jaguatirica. Ocorre desde o sul dos Estados Unidos até o norte da Argentina, mas já foi extinta em algumas regiões de sua distribuição geográfica. Habita todos os tipos de ambiente ao longo de sua distribuição geográfica, até cerca de 1200 m de altitude. É um felídeo de porte médio, com 72,6 a 100 cm de comprimento e peso entre 7 e 15,5 kg. É um animal solitário, noturno, territorial e os machos possuem territórios que se sobrepõem sobre os de várias fêmeas. Alimenta-se principalmente de roedores, mas também de animais de porte maior como ungulados (animais de casco) répteis, aves e peixes. Caça à noite, formando emboscadas. Alcança a maturidade sexual entre 26 e 28 meses de idade, e as fêmeas dão à luz geralmente um filhote por vez, com cerca de 250 g. Geralmente, filhotes nascem a cada 2 anos. Em cativeiro, a jaguatirica pode viver até 20 anos, o dobro da sua longevidade no estado selvagem.

Da redação