Interior de SP participa de teste com medicamento francês para tratar Covid-19

A Faculdade de Medicina de Botucatu, no interior de São Paulo, já começou a admitir, no final da última semana, pacientes para participarem do estudo miR-AGE no Brasil, utilizando um medicamento francês (aprovado pela ANVISA) com potencial para tratar a Covid-19. O Hospital de Base de Rio Preto também foi convidado, mas alega que depende de questões internas para iniciar a pesquisa.

O ABX464 é fabricado pela empresa francesa de biotecnologia Abivax, e se espera, com seu uso, diminuir o número de pacientes que precisam de internação hospitalar e também o período que passam internados. No Brasil, o estudo, será comandado pelo Dr. Jorge Kalil, professor titular de imunologia clínica e alergia da Faculdade de Medicina da USP.

Dhoje Interior

Hospitais no Rio de Janeiro, Roraima, Pernambuco e Santa Catarina também já estão confirmados para realizar os testes clínicos. Ao todo, serão 9 centros médicos no Brasil.

Este estudo duplo cego, randomizado, controlado com placebo, de fase 2b/3 avaliará os benefícios potenciais da tripla ação do medicamento em estudo ABX464 em 1.034 participantes idosos ou de risco para a COVID-19, que incluem:

– Efeito anti-inflamatório para tratar a hipercitonemia e a síndrome da hiperinflamação observadas em participantes portadores da COVID-19. Este efeito do ABX464 já foi demonstrado em estudo de fase 2a em outra doença inflamatória grave, a colite ulcerativa. A hiperinflamação pulmonar é a principal causa de desconforto respiratório e de morte dos pacientes com COVID-19.

– Efeito antiviral para inibir a replicação do SARS-CoV-2 (COVID-19) que foi demonstrado em um modelo rigoroso de epitélio pulmonar humano in vitro.

– Propriedades de reparação tecidual para prevenir uma potencial disfunção pulmonar de longo prazo após a infecção. Nos participantes portadores de colite ulcerativa, ABX464 demonstrou capacidade curativa das lesões inflamatórias.

Da REDAÇÃO