Infiltrado em greve de caminhoneiros é preso em Jales

PF - Os mandados judiciais foram expedidos pela Justiça Federal de Jales e Palmeira d’Oeste

Um homem, de 32 anos, acusado de estar infiltrado no movimento de paralisação dos caminhoneiros, foi preso na tarde de quarta-feira (30), em Jales. As investigações devem apontar se há outros envolvidos.

De acordo com a Polícia Federal, desde o início das manifestações, os caminhoneiros mobilizados estão sendo orientados a não praticar coação, ameaça ou constrangimento aos motoristas que não queiram participar do movimento de paralisação.

Vários caminhoneiros denunciaram que estavam sendo ameaçados e perseguidos por pessoas simpatizantes da causa, inclusive com o uso de arma de fogo.

Após investigação da Polícia Federal, um dos líderes foi identificado e denunciado à Justiça, que determinou a prisão temporária do suspeito. A ação de cumprimento do mandado contou com cerca de 50 policiais federais e militares.

O preso é morador de Jales, beneficiário de auxílio doença do INSS, com diversas passagens criminais, entre elas, porte ilegal de arma de fogo, tentativa de homicídio e contrabando e descaminho. Ele é acusado de coordenar atividades criminosas de coação em um dos pontos de mobilização. As investigações também indicaram que o suspeito e outros envolvidos estavam recebendo apoio financeiro de empresários da região.

Em uma das caminhonetes de luxo do suspeito, a polícia encontrou uma munição de arma de fogo não deflagrada. Na casa dele, foram apreendidos documentos e aparelhos celulares que serão periciados para tentar identificar outros envolvidos no crime.

A polícia também vai investigar o benefício recebido do INSS pelo preso, pois, em tese, ele está incapaz de trabalhar, mas as investigações demonstraram que ele está em plena atividade física, gerando dúvidas quanto à legalidade no recebimento do benefício.

O preso será ouvido na Delegacia de Polícia Federal de Jales e posteriormente será conduzido à cadeia de Santa Fé do Sul, onde permanecerá à disposição da Justiça Estadual.

Todas as informações, bem como a identificação de outros envolvidos serão investigadas pela Polícia Federal.

Por Bia MENEGILDO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS