Indústria tem queda histórica e setor vive caos sem precedentes

Setor industrial atravessa uma grave crise econômica por causa da pandemia de Covid

A pesquisa da Sondagem Industrial, realizada pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), revelou uma queda sem precedentes na atividade da indústria brasileira durante o mês de abril.

O índice de evolução da produção registrou 26 pontos em uma escala de 0 a 100. Nessa metodologia, os valores abaixo de 50 pontos mostram queda.

Dhoje Interior

A nova contração da atividade industrial provocou o recuo de nove pontos percentuais da utilização da capacidade instalada de março para abril, indo para 49%.

Esse dado indica que mais da metade da capacidade instalada da indústria ficou ociosa durante o último mês.

E a forte queda no número de empregados levou o índice para 38,2 pontos, bem distante da linha divisória de 50 pontos. Esse é o menor de toda a série mensal iniciada em 2011.

De acordo com o diretor da Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São José do Rio Preto, Luiz Fernando Lucas, a situação no município não é muito diferente do panorama nacional.

“O fato das atividades das indústrias estarem liberadas não significa que necessariamente elas estejam vendendo. O fechamento do comércio tem impacto direto nisso”, explicou.

Ele ainda afirma que apenas as indústrias com demanda durante a pandemia, como produtoras de álcool gel e máscaras, estão conseguindo operar normalmente.

“Atualmente, o cenário econômico do setor está um caos. Nós já estávamos saindo de outra crise e acredito que dessa vez a recuperação vai levar um tempo grande o suficiente para causar estragos. Muitas empresas podem até não retornar às suas atividades”, comentou Lucas.

O diretor da Ciesp também falou sobre quais medidas poderiam minimizar o prejuízo das indústrias.

“A maioria das medidas é apenas paliativa, como cortar despesas e buscar novas formas de manter o funcionamento. Mas a principal atitude que ajudaria o setor seria a racionalização das decisões políticas no país”, concluiu.

Por Vinicius LIMA