IMPOSTO: Videogame lidera ranking de produtos com maior carga tributária

caro - Apesar do imposto, Eduardo Salinas deve presentear o filho Eduardo Henrique com um novo vídeogame

“Faz tempo que estou enrolando ele, mas agora pretendo comprar um videogame”, a frase do advogado Eduardo Henrique Ferri Salinas, 31 anos, pai Eduardo Henrique Filho, 9 anos, até alegra o jovem garoto, que deve ganhar o presente esperado no próximo dia 12, Dia das Crianças. Porém, ao saber da carga de 72,18% de impostos no valor do videogame, segundo dados da Associação Comercial de São Paulo, a mudança de reação do pai é nítida.

“Um abuso, a gente é praticamente assaltado. Não sei se em outro país no mundo existe uma carga tributária tão grande. Estamos comprando um videogame e pagando quase dois e meio”, afirma Eduardo Salinas, indignado com a carga tributária em cima do produto.

Neste Dia das Crianças, além do videogame, jogos e consoles eletrônicos, que atingem a marca de 72,18% de impostos, tênis importado, patins, skate, patinete e câmera fotográfica, também superam a barreira dos 50% de impostos.

Para o economista Roosevelt Bormann Filho, o caminho para os pais será procurar alternativas para presentear os filhos. “A carga tributária acaba sendo injusta. Os gastos públicos são muito elevados, e, ao invés de cortá-los, o governo acaba repassando para os impostos e quem termina pagando é a população”, diz o economista.

Ainda de acordo com os dados levantados pela Associação Comercial de São Paulo, uma saída deve ser presentes como brinquedos, roupas e calçados. Os impostos embutidos nos preços de alguns brinquedos são: 39,7% no spinner, boneca e carrinho e 48,4% na bola de futebol. Com relação a vestuário, roupa e camisa de time (34,6%), boné (35%), fantasia (36,4%), tênis nacional (44%) e tênis importado (58,5%).

Entre os produtos eletrônicos, computador e notebook têm carga tributária de 24,3%, tablet apresenta 39,1% e celular possui 39,8%. Com a menor taxa tributária, 15,52%, os livros também aparecem como opção.

 

Por Marcelo SCHAFFAUSER

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS