Homenageados já indicam nomes de parentes para substituir placas

Aposentado Júlio César Braga Lahos indicou o nome do pai, já falecido, Antônio Geraldo Lahos, para substituir seu nome na placa do bairro Solidariedade

Após Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) declarar inconstitucionais as leis municipais que deram nome de pessoas vivas a bens públicos, durante o período de 2009 a 2016, em Rio Preto, a prefeitura iniciou um processo de solicitação para os homenageados de indicarem pessoas (já falecidas) de suas famílias, ou de consideração para substituí-las.

Entre os rio-pretenses que já encaminharam a sugestão de troca de nomes para a prefeitura está o aposentado Júlio Cesar Braga Lahos, que dá nome a uma rua no bairro Jardim da Solidariedade e indicou seu pai, já falecido, Antônio Geraldo Lahos para substituí-lo.

“Recebi uma notificação do prefeito Edinho Araújo dizendo que eu tinha cinco dias para indicar alguém da família, já falecido, para substituir meu nome. E eu passei o nome do meu pai. Fiquei mais contente ainda e creio que vai dar certo. Meu pai exerceu a função de funcionário público por 35 anos, no cargo de investigador de polícia”, explicou Lahos, que também comentou sobre sua escolha.

“Quando fui homenageado achei legal, porque no meu entender a homenagem em vida que é gostosa, porque o homenageado está participando, depois de morto só vai a família. Minha mãe, já falecida, Terezinha Braga Lahos, tem um nome no Quinta da Mata e agora estou indicando meu pai. Eu ficaria chateado senão colocasse o nome do meu pai e acredito que será uma justa homenagem”, finalizou.

Segundo a Prefeitura, os homenageados estão indicando suas sugestões para a troca dos nomes nos bens públicos, e o prefeito está encaminhando projetos de leis à Câmara nesse sentido. A tendência é que após todas as indicações os nomes sejam homologados após serem apresentados na Câmara dos Vereadores.

Por Marcelo Schaffauser

SEM COMENTÁRIOS