Ginecologista aponta 5 mitos e verdades sobre a fertilidade masculina e feminina

O ginecologista Dr. Joji Ueno, diretor clínico da Clínica Gera e especializado em reprodução assistida, desvenda alguns questionamentos sobre a fertilidade do homem e da mulher. São eles:

1 – Radioterapia e quimioterapia podem gerar infertilidade?

Verdade. As células reprodutivas sofrem alterações genéticas com o uso das terapias de cura do câncer. Para evitá-las, é importante extrair e congelar os gametas.

2 – Aborto natural pode diminuir a chances de engravidar?

Mito. A interrupção de uma gravidez, por si só, quando ocorre naturalmente, não atrapalha as novas gestações. No entanto, se estas interrupções forem recorrentes, a mulher pode sofrer alguma malformação uterina como os septos, ou ainda, alterações inflamatórias/infecciosas como a endometrite crônica, além de pólipos endometriais, miomas submucosos, disfunções imunológicas e trombofilias. Uma boa investigação com exames adequados como histeroscopia diagnóstica, ressonância magnética, ultrassonografia 3D, histerossonografia e exames de sangue podem levar ao diagnóstico correto. O tratamento do aborto natural, pelo curetagem uterina de restos, pode levar a danos no interior do útero. Por isso, é importante procurar seu ginecologista de confiança quando ocorrer o abortamento

3 – A obesidade atrapalha a fertilidade?

Verdade. Nas mulheres, a obesidade causa disfunções hormonais importantes que prejudicam o ciclo menstrual e a ovulação. Já nos homens, altera o metabolismo e interfere diretamente na mobilidade e na forma dos espermatozoides, que têm sua capacidade de fecundação diminuída.

4 – Ovários policísticos podem impedir que a mulher engravide?

Mito. A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) pode causar falta de ovulação e, consequentemente, infertilidade. Mesmo assim, a mulher com SOP, que deseja engravidar, pode ser tratada de várias formas: “drilling” ovariano, relação sexual programada, inseminação artificial e FIV. Há mulheres que, mesmo com a doença, engravidam naturalmente.

5 – O excesso de atividade física pode deixar as mulheres estéreis?

Verdade. O excesso de exercícios físicos e a adoção de uma dieta pobre em gorduras, somados à alta carga de estresse físico e emocional, podem provocar amenorreia, isto é, total ausência de menstruação. Esse conjunto de fatores alteram a produção hormonal. Além disso, como forma de defesa natural do organismo, que está carente de nutrientes para a sua própria sobrevivência, a ovulação pode ser interrompida.

Sobre Dr. Joji UenoDr. Joji Ueno é ginecologista e obstetra, doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) e Coordenador do Curso de Pós-graduação Lato sensu em Medicina Reprodutiva pelo Instituto de Ensino e Pesquisa em Medicina Reprodutiva de São Paulo (IEP GERA. Site: www.medicinareprodutiva org/clinica-geraInstagram:clinica_geraFacebook: gera – Clínica de reprodução Humana

 

Da Redação

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS