Gatos da Represa ganham nova moradia

As ‘tocas de concreto’ foram espalhadas em vários pontos da Represa

A Diretoria do Bem-Estar Animal (DIBEA), por meio da Secretaria de Saúde e parceria o Meio Ambiente e o Serviços Gerais, substituiu 97 casas de madeira que abrigam os gatos que vivem na Represa Municipal por 12 estruturas de concreto. A troca teve início nesta segunda-feira (11).

A medida é a primeira parte de um plano de trabalho de manejo dos gatos domésticos da Represa Municipal e tem o objetivo de proporcionar uma melhor qualidade de vida aos animais, que constantemente estavam adoecendo em virtude da má higienização acumulada nas casas de madeira.

Dhoje Interior

Segundo a vereadora Cláudia DeGulie (MDB), um dos objetivos deste projeto é organizar o local e ter um lugar mais limpo para que os felinos possam viver.

“Aqui estava com problemas de fungos e outros problemas, por isso estamos organizando para fazer um manejo ambiental”, salientou a parlamentar.

Eles fizeram uma limpeza no local e retiraram as casas de madeira que estavam cheias de sujeira.

A DIBEA tem um levantamento que constam cadastrados 187 gatos vivendo no local. E ainda contam com a parceria das protetoras para a castração de todos os animais que vivem no local.

A estrutura que vai abrigar os gatos são canos de concreto. Ao todo, serão 12 que serão espalhados na Represa. A vereadora afirmou que a princípio será essa estrutura.

“Aonde tem mais gatos vai ter seis, em frente ao Ressurreição (Colégio) vai ter se eu não me engano dois, na frente do Sesi vai ter um, no meio do passeio vai ter outro, totalizando doze”.

Ela afirma que em um segundo momento serão feitos os comedouros, isso porque o que está sendo feito no local é um manejo ambiental.

“Agora com essa estrutura criamos uma maneira que dá para lavar, que dá para higienizar”, frisou Cláudia.

Por Sergio SAMPAIO