Gás e gasolina sofrem novo aumento e ficarão mais caros para o consumidor

Segundo Eder Freitas, presidente da Associação dos Revendedores de Gás de Rio Preto, uma família de três a quatro pessoas, em média, consome um gás de 13kg, em 45 dias. Novo valor já foi repassado para os consumidore, ontem, como é o caso da dona de casa, Maria Helena Rossi

Valor do combustível, anunciado pela Petrobras, deve chegar na casa dos R$ 4,10 em Rio Preto; já o gás de cozinha, que chegou ao terceiro reajuste no mês de setembro, atingindo o total de 22,9%, será vendido, em média, por R$ 70.

Já no fim do nono mês de 2017, o consumidor brasileiro ainda aguarda por boas notícias na economia. Porém, a cada dia os anúncios de novos preços nos produtos parecem não ter fim. Na última segunda-feira, a Petrobras divulgou os novos reajustes para o gás de cozinha e a gasolina, que devem atingir em cheio o bolso do consumidor.

Segundo Eder Freitas, presidente da Associação dos Revendedores de Gás de Rio Preto, somente no mês de setembro foram três reajustes feitos no valor do gás de cozinha, que, atualmente, em média, custa R$ 70,00. “Setembro foi um mês turbulento para nós. Tivemos três reajustes no gás de cozinha, o primeiro das companhias em torno de 4%, depois da Petrobras, no dia 5, de 12% e agora, hoje [ontem], mais um da Petrobras de 6,9%. Ou seja, no total 22,9% em um mês”, afirmou Freitas, que também falou sobre os novos preços do produto.

“Em média, no começo do mês, o preço era de R$ 63. Após o primeiro reajuste o valor médio foi para R$ 68, e agora, com o último reajuste, a média será de R$ 70 e de R$ 73 e R$ 75 para o gás de cozinha de primeira linha”, explicou o presidente.

Ainda de acordo com Eder Freitas, o gás industrial também sofreu um reajuste de 7,9% e vai subir a partir hoje. “Em média, atualmente ele custa R$ 230,00. Acreditamos que o novo valor, em média, será de R$ 250,00”, disse.

Eder Freitas afirma também que o aumento do gás vem prejudicando as vendas, que tiveram uma leve diminuição. ”É um gênero de primeira necessidade que impacta diretamente no orçamento doméstico das famílias. Em média, uma família de três a quatro pessoas consome um gás de 13kg, em 45 dias”, finalizou.

COMBUSTÍVEL
Outro vilão para o bolso do consumidor é a gasolina, que teve novo aumento divulgado pela Petrobras, e, segundo Roberto Uehara, presidente do Sincopetro – Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo – deve ultrapassar a casa dos R$ 4,00.

“Nesses últimos 30 dias tivemos seis ou sete anúncios de alta por parte da Petrobras, e como a economia está parada, nós seguramos o máximo que deu. Não repassamos. Repassamos somente o último que não teve como segurar mais. Esse aumento é predatório para nós que trabalhamos com venda, porque elas estão diminuindo e não temos mais créditos, ou onde recorrer. Estamos em uma situação caótica, nunca vivida nesses últimos 20 anos”, disse Uehara, justificando o aumento da gasolina.

“Como o Furacão Maria atingiu a área do Texas, grande produtor de petróleo mundial, as refinarias estão paradas. Então, mundialmente tivemos uma onda de alta que foi repassado. Em alguns estados já podemos ver o valor superior de R$ 4,00 no preço da gasolina, e aqui, o valor de R$ 4,10 será impossível de não ocorrer”, afirmou o presidente, que também antecipou que o etanol sofrerá aumento em breve.

“Todo esse aumento de reajustes do diesel e da gasolina será repassado para o etanol. Vamos entrar no período de entressafra que acontece todo ano a partir de outubro e novembro. Então vai subir, não sei afirmar o quanto, mas vai subir”, concluiu Uehara.

 

Por Marcelo SCHAFFAUSER

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS