Floresta Estadual do Noroeste Paulista corresponde a 219 campos de futebol com árvores plantadas

Floresta do Noroeste abriga 12 hectares de espelho d´água e 157 espécies de árvores (Foto: Cláudio Lahos)

A Floresta Estadual do Noroeste Paulista, localizada nos municípios de Rio Preto e Mirassol, equivale, atualmente, a 219 campos de futebol com árvores plantadas, um total que corresponde a 349 mil mudas.

Segundo a Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado, a floresta começou a ser planejada em 2007, quando o então diretor geral do Instituto Florestal se reuniu com o do Instituto de Pesca e foi formalizado o pedido de cooperação técnica com o objetivo de elaborar um projeto de ampliação da Estação Ecológica do Noroeste Paulista.

O Instituto Florestal (IF) passou atuar em conjunto com a prefeitura de Rio Preto, o Instituto Penal Agrícola, a Universidade Estadual Paulista ‘Júlio de Mesquita Filho’ (Unesp), a Procuradoria Geral do Estado (PGE), o Conselho de Patrimônio do Estado, entre outros, no contexto do plano diretor de uso e ocupação da área do IPA.

“A ação de reflorestamento começou em 2012 com o pedido do DRE que tinha que fazer uma compensação referente à obra de duplicação da rodovia Euclides da Cunha e precisava de área para cumprir com a questão ambiental, pelo dano que o empreendimento iria causar como a retirada de árvores e movimentação de solo. Houve uma intensa negociação com o Instituto Florestal, que permitiu o plantio em uma área de 65 hectares, pela ocasião ainda não se falava em floresta, ainda era estação experimental e a gente detinha responsabilidade sobre uma parte de 131 hectares que recebemos, em 2009”, explica o gestor da Floresta Estadual do Noroeste Paulista, Narciso Santos Costa.

Costa ponderou ainda que “em 2014, a gente recebeu a área com 248 hectares e o mesmo decreto que transferiu a responsabilidade dela para o Instituto Florestal nos incumbiu também de tomar todas as iniciativas para que fosse formada uma floresta estadual em Rio Preto”.

Na área, priorizou-se a delimitação da microbacia do Córrego do Moraes, divisor dos municípios de Rio Preto e Mirassol para preservar a represa de 12 hectares de espelho d’água. São 157 espécies plantadas na área, com árvores do cerrado e mata atlântica. “A região aqui possui esses dois biomas, então o processo adaptativo das espécies é satisfatório”, explica Costa.

A Floresta Estadual do Noroeste Paulista trará inúmeros benefícios para a região. “O plantio compensatório que fazemos aqui vai influenciar o microclima dessa região de Rio Preto e pode propiciar ganhos para os municípios vizinhos, em relação à quantidade de evaporação, melhorando condições para chuvas, melhorando o quadro ambiental em geral. A influência que a floresta vai ter sobre o microclima do município será grande”, frisa.

A área também será destinada à atividade educacional e científica, além de ser aberta à visitação pública. “A gente conseguiu junto à prefeitura a colocação de câmeras na entrada, porque estava havendo entrada indevida pelo lado de Rio Preto. A área deve ser aberta futuramente ao público, mas antes disso acontecer precisa ter uma infraestrutura para que a gente possa receber o pessoal com segurança, fazer um trabalho para que essa população que visite aqui tenha condição de nos ajudar a manter a área, porque a missão do instituto é justamente ser guardião da biodiversidade”, finaliza Narciso Santos Costa.

Por Mariane Dias

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS