Fisioterapeuta alerta para postura inadequada durante o uso do celular

Jovem - Jonathan Batista afirma que usa o celular por três horas no dia

Atualmente o celular já se tornou algo de uso constante na rotina da população, estima-se que nove em cada 10 brasileiros tenham um aparelho de telefonia móvel. Na média, o brasileiro passa três horas por dia no celular, segundo pesquisa realizada em 2016, pela Millward Brown Brasil e pela NetQuest. Com o uso excessivo aliado a má postura, o celular pode trazer problemas relacionados à coluna e a postura de quem usa de forma inadequada.

Estudos mostram que o ato de teclar pode ser uma atividade perigosa para a saúde musculoesquelética devido às posturas incorretas que a pessoa adota, além dos movimentos repetitivos, principalmente feitos com o dedo polegar o que pode gerar dores no pescoço, problemas na coluna e futuramente desenvolver até mesmo doenças como a artrose.

A fisioterapeuta Neuseli Lamari explica que a coluna é a parte mais afetada do corpo durante o uso do celular. Ela alerta que os pais devam ficar atentos principalmente com crianças e adolescentes que usam essa tecnologia. “Os movimentos repetitivos feitos durante o uso do celular podem sobrecarregar a região do pescoço, coluna e o polegar. Isso é grave principalmente na fase do estirão, que em meninas acontece aos 12 anos e meninos aos 14 anos. Esse uso excessivo pode retificar a curva do pescoço, que temos logo abaixo da nuca e isso não é saudável”, comentou.

De acordo com a fisioterapeuta, toda sobrecarga é danosa e que o ideal é tentar usar o menos possível o celular, evitando ficar em posições incorretas, seja ficar com o pescoço muito abaixado ou usar o aparelho na cama, o que deve ser evitado ao máximo. “Devido a essa sobrecarga a pessoa ainda pode ter outros problemas que afetam a articulação temporomandibular e com o tempo desenvolver até mesmo a artrose”, disse. Lamari ressalta que é necessário executar trabalhos de conscientização numa forma de prevenir crianças e adolescentes de problemas futuros. “Em função do sedentarismo e mau uso do corpo, comum em crianças e adolescentes hoje em dia, traz prejuízo para as articulações e coluna dessa nova geração”, alertou.

O estudante Jhonatan Batista Silva comenta que costuma usar o aparelho cerca de três horas por dia e o uso excessivo da tecnologia já trouxe algumas dores como consequência. “Às vezes sinto dor nas costas e na cabeça, porque sempre costumo mexer no celular mais a noite, antes de dormir”, disse. Quanto à postura o jovem admite usar o celular de forma despreocupada. “Sei que é errado, mas a gente costuma deitar de qualquer jeito ou até mesmo quando está sentado, preciso ter esse cuidado”.

Em contrapartida, o empacotador Gabriel Rodrigues Vieira, afirma que usa o celular pouco tempo ao longo do dia, cerca de 20 minutos. “Eu não sinto nada, pois eu não uso tanto o celular, deixo para usar mais nas horas livres. Mas tenho preocupação em manter a postura correta também, para não ter problema”, concluiu.

 

Por Priscila Carvalho

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS