Febre hemorrágica faz primeira vítima em São Paulo

Foto: Divulgação.

Novo vírus registrado no Brasil causa morte por febre hemorrágica. O alerta aconteceu no início da semana, pelo Ministério da Saúde, com a divulgação de um caso ocorrido em São Paulo, por um Arenavírus ainda sem espécie definida e tem 90% de similaridade com o vírus Sabiá.

O caso foi notificado inicialmente pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, que pediu apoio federal para a análise. Não se sabe como o paciente, que morreu, foi contaminado.

Segundo a infectologista Silvia Maria Gomes de Rossi, professora de Doenças Infeciosas e Parasitárias da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR), há 20 anos não ocorriam casos desta doença, que acometeu 4 pessoas, sendo que um caso foi por manuseio laboratorial. “A transmissão se dá por inalação de aerossóis provenientes de urina, fezes ou saliva de roedores infectados, por isso a prevenção se faz evitando poeiras de galpões, acúmulo de lixo e qualquer ambiente que possa ter ou mostre evidências da presença de roedores”, esclarece, prosseguindo: “também pode haver a transmissão inter-humana, em contatos muito próximos e prolongados, ou em ambientes hospitalares se não forem tomadas medidas de prevenção e uso de equipamentos de proteção no contato com secreções e excretas”.

A incubação é de aproximadamente de uma semana (5 a 21 dias), e os sintomas são semelhantes aos de outras doenças, como febre amarela, leptospirose, dengue grave — febre, mal-estar, dores e manchas vermelhas pelo corpo, dor de garganta e de cabeça, sangramento de boca e nariz –, e o paciente pode chegar a apresentar sonolência, confusão mental, convulsões.

“A notificação da suspeita deve ser imediata e o diagnóstico é feito por exame de biologia molecular estando disponível no SUS, inclusive para a rede privada. O tratamento é sintomático, feito em ambiente hospitalar, lembrando que ainda não existe vacina”, esclarece Silvia de Rossi.

A febre hemorrágica brasileira é uma doença que deve entrar no diagnóstico diferencial das infecções agudas que evoluem com gravidade, mas não há motivo para alarme.

A infectologista está disponível para comentar o assunto. Solicitações pelo e-mail: [email protected].

Sobre a Faculdade Presbiteriana Mackenzie
A Faculdade Presbiteriana Mackenzie é uma instituição de ensino confessional presbiteriana, filantrópica e de perfil comunitário, que se dedica às ciências divinas, humanas e de saúde. A instituição é comprometida com a formação de profissionais competentes e com a produção, disseminação e aplicação do conhecimento, inserida na sociedade para atender suas necessidades e anseios, e de acordo com princípios cristãos.
O Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM) é a entidade mantenedora e responsável pela gestão administrativa dos campus em três cidades do País: Brasília (DF), Curitiba (PR) e Rio de Janeiro (RJ). As Presbiterianas Mackenzie têm missão educadora, de cultura empreendedora e inovadora. Entre seus diferenciais estão os cursos de Medicina (Curitiba); Administração, Ciências Econômicas, Contábeis, Direito (Brasília e Rio); e Engenharia Civil (Brasília).

Em 2020, serão comemorados os 150 anos da instituição no Brasil. Ao longo deste período, a instituição manteve-se fiel aos valores confessionais vinculados à sua origem na Igreja Presbiteriana do Brasil.

Da REDAÇÃO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS