Favela da Vila Itália: Moradores já estudam outras áreas públicas para serem ocupadas em caso de reintegração

Segundo informações apuradas pela reportagem do DHoje Interior, ao menos três loteamentos do município podem ser o destino das famílias que devem ser despejadas com a reintegração de posse em andamento na Justiça .

Depois do protesto dos moradores da favela da Vila Itália, no começo da manhã de ontem, contra o pedido de liminar de reintegração de posse da área, representantes das cerca de 250 famílias que vivem hoje na favela afirmaram à reportagem que já possuem ao menos três loteamentos públicos da cidade que podem ser usados como nova ocupação das famílias despejadas.

“Não é natural reintegrar posse. Isso aqui vai virar Pinheirinhos. Mas se tirar a gente daqui, nós vamos acampar do outro lado da linha do trem. É resolver aqui para ter ocupação em outro lugar”, afirmou representante que pediu para não ser identificado.

A migração do problema da favela pode acontecer porque, segundo os moradores eles não possuem outros destinos. “Nós não temos onde morar, o frio está grande, aqui tem muita criança, para onde nós vamos com essas crianças? Se não tem para onde levar a gente por que não deixa essas pessoas aqui?”, questionou a desempregada Claudete Brito, de 31 anos.

Versão de Claudete é a mesma de outra desempregada que mora na favela, Maria Dione Alves de Freitas, de 30 anos “Não tem como eu sair daqui. Só meu esposo trabalha e não tenho condições porque ele ganha um salário mínimo. Aluguel aqui em Rio Preto o mais barato é R$ 500 e ainda tem comida, luz, água, roupa. Espero que o prefeito suspenda esse processo.”

“Aluguel aqui em Rio Preto o mais barato é R$ 500 e ainda tem comida, luz, água, roupa. Espero que o prefeito suspenda esse processo” – Maria Dione Alves,
desempregada

Desempregada ainda complementa. “Nossas crianças estudam aqui porque corremos atrás das vagas e transferimos para estudar aqui perto, mas faz seis meses que pedimos transporte público para levar porque fica longe daqui, mas ultimamente disseram que tinha o transporte, mas não ia dar porque vai ter a reintegração”, finalizou.

Ação de Reintegração de Posse
Pedido de reintegração de posse da área da favela da Vila Itália foi ajuizado na 1ª Vara da Fazenda de Rio Preto em

“Nós não temos onde morar, o frio está grande, aqui tem muita criança, para onde nós vamos com essas crianças?” –

julho do ano passado. Última decisão do juiz Marcelo de Moraes Sabbag foi questionar a Prefeitura sobre o apoio aos moradores com transporte e acolhimento em caso do despejo. Como resposta, a Prefeitura afirmou que não tem condições de oferecer abrigo provisório e ainda pediu a reintegração de posse imediatamente.

Nota Prefeitura
Por nota, o município afirmou que, de acordo com o levantamento feito pelas secretarias e com base na lei, “a Prefeitura não pode passar os ocupantes desse espaço que é em parte público e em parte particular e de interesse ambiental, na frente das outras pessoas que estão devidamente cadastradas nos programas habitacionais do município e do Governo Federal, como o Minha Casa, Minha Vida.

De acordo com as regras do Governo Federal, todos os moradores deverão atender os critérios dos Programas Habitacionais, como: os da Caixa Econômica Federal e ainda comprovar residência em Rio Preto há mais de três anos. A Prefeitura está dando total assistência à todas as crianças, idosos, pessoas com deficiências que moram no local ocupado”, finaliza a nota.

 

Por Francela Pinheiro

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS