Ex-presidente pactuou com crime e censura deve ser acima da média, diz relator

Ao pedir o aumento da pena para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o desembargador João Pedro Gebran, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), explicou que a “gravidade” dos crimes “exige” uma pena maior do que a mínima.

“Eu considero a culpabilidade extremamente elevada. Há um esquema sofisticado de corrupção no seio da Petrobras. A gravidade dos crimes exige uma pena maior do que a mínima. O ex-presidente compactou com o crime e a censura deve ser acima da média”, afirmou.

Gebran manteve a absolvição de Lula apenas na acusação sobre o armazenamento de acervo presidencial, acusação pela qual o petista já tinha sido considerado inocente na primeira instância O magistrado também estendeu a absolvição ao presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

Ao final, o desembargador também pediu a permissão para chamar de “inverdade” as declarações de que há excesso nas prisões preventivas autorizadas pela Operação Lava Jato e o juiz Sérgio Moro.

“Não julgamos um estadista, mas sim, fatos concretos. É imperioso que essa informação seja desacreditada. Foram condenados membros de diferentes partidos políticos. Há servidores, empreiteiros, engenheiros, empregados privados, pessoas de variadas matizes”, disse.

 

Da Redação

Conteúdo Estadão

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS