Estelionatários fazem vítimas se passando por familiares

Comprovante de transferência feito na conta do golpista

Golpes de estelionatos por telefone continuam acontecendo de maneira inacreditável em Rio Preto. As vítimas recebem ligações dos estelionatários dizendo que são parentes ou amigos próximos, estando naquele momento com o carro quebrado na rodovia e precisando de urgentemente dinheiro emprestado, dessa forma conseguem os depósitos. No total, o prejúizo foi de R$ 4,4 mil.
Uma das mais novas vítimas é a idosa E.L.J., 76 anos, vítima de um tipo de estelionato novo no mundo do crime na região de Rio Preto. Ela contou aos policiais que na manhã da última sexta-feira por volta das 9h recebeu uma ligação de um celular do DDD (17) onde o suposto estelionatário passou-se por João.
A idosa imaginou ser o Sr. João que já havia prestado serviços na residência. No telefone o ‘João’ contou que estava na rodovia próximo a Catanduva e tinha sofrido um acidente de trânsito e precisava que a idosa E., lhe depositasse um valor de R$1.480 para pagar o guincho. Após fazer o deposito a idosa recebeu outra ligação de ‘João’ pedindo novamente um valor de R$1.300 que o carro tinha quebrado de novo, a idosa realizou mais um depósito no Banco do Brasil. A idosa ligou para o verdadeiro ‘João’ que tinha feito serviços na casa e descobriu que tudo se tratava de um golpe.
No mesmo dia algumas horas depois a senhora de 56 anos R.C.S., contou aos policiais por meio de boletim de ocorrência que recebeu uma ligação de um celular com o DDD (11) na última sexta-feira por volta das 18h30. O estelionatário que não foi identificado até o momento se passou por prima da senhora R., dizendo que estava com o carro quebrado no Km 80 próximo a Catanduva pedindo para a senhora lhe emprestar um valor de R$1.700 para o conserto do veículo e do serviço de guincho.
A vítima acabou realizando o depósito em uma conta no banco Itaú, no nome de Bruno Vinicius Soares LIma. Após alguns minutos a vítima recebeu uma nova ligação do estelionatário pedindo mais R$1.500. Nesse momento a senhora R., desconfiou que estivesse sendo vítima de um golpe.
No mesmo momento pediu para o suposto primo se identificar com nome completo, o golpista não sabendo informar desligou o celular. A senhor R., procurou os policiais para relatar o ocorrido.
“Horas antes eu fui ver uma cadeira de rodas para meu pai de 80 anos que este acamado. O valor é R$1.200, estou passando por momentos difícil com a saúde dele e sozinha para cuidar dele. Realmente imaginei que fosse meu primo vindo de São Paulo para me ajudar. Meu estado emocional acabou me confundindo com esse tipo de pessoa.
Não sei o que vou fazer preciso do dinheiro para meu pai”, comentou a vítima.
Os dois casos serão investigados pela delegacia de policia civil de Rio Preto.

Colaborou Chiara Gélio

SEM COMENTÁRIOS