Esquentado o clima: atrasados com a tradição, rio-pretenses pintam as calçadas para a Copa

O aposentado Júlio Cesar Braga Lahos e seu cachorro Zeus já estão preparados para o início da Copa do Mundo da Rússia

Bandeiras, muros, calçadas, árvores, sarjetas, tudo verde e amarelo. A tradição de colorir as ruas e as casas com as cores do Brasil, timidamente, vai se espalhando por Rio Preto nas vésperas da Copa do Mundo da Rússia, que começa nesta quinta-feira (14), com a partida inaugural entre os donos da casa e a Arábia Saudita.

Para o aposentado Júlio Cesar Braga Lahos, 58 anos, morador do bairro Cidade Jardim, o clima já está pronto para torcer pela Seleção Brasileira, que vai em busca do hexacampeonato, a partir de domingo (17), quando estreia contra a Suíça.

Com oito litros de tinta, Lahos coloriu sua calçada e seu muro, além de já pendurar as bandeiras brasileiras. “Eu sempre gostei de entrar no clima da Copa, porque o Brasil tem essas corrupções, os políticos todos presos, então não podemos desanimar também. Então, a alegria do povo brasileiro é o futebol e eu não vou deixar de comemorar”, disse ele, que colocou até o cachorro na torcida.

Júlio César Lahos já pintou até a calçada do vizinho para torcer pela Seleção Brasileira

“Sempre gostei de fazer isso. Só parei na Copa passada, porque morava em apartamento. Nas outras, desde 1974, sempre fiz. Coloco bandeira, adesivo nas árvores, nas cores verde, amarelo, azul e branco. Inclusive, agora, este ano, tenho até meu cachorro, o Zeus, que é meu parceiro e comprei um colete verde e amarelo para torcer também”, afirmou Lahos.

A pintura feita pelo aposentado, que chama atenção por quem passa pela rua Dr. Plínio Costantini, já ganhou pedidos inusitados dos vizinhos. “Já faz uns quatro dias que estou nela, porque a cada dia tem um detalhe, mas em três dias deu pra fazer bastante coisa. Agora já passei para o muro do vizinho, que aderiu a ideia e autorizou. Uma coisa curiosa é que estão parando aqui na rua e perguntando quanto eu cobro para pintar a casa e eu disse, brincando, que minha agenda estava lotada nesse ano. Já que é um hobby pra mim. Acho legal que o pessoal está comentando. Inclusive meu vizinho já começou a fazer também”, explicou.

Confiante na Seleção de Tite, Lahos está confiante no título brasileiro. “O Brasil vai levar esse caneco. Na calçada que pintei já fiz as seis estrelas. Rumo ao hexa. Então, já pintei 2018 seremos campeões. Acho até que sou pé quente, porque em 2002 também fiz um desenho parecido e fomos campeões. Então, 2018 acho que vamos levar e domingo meu palpite é 3 a 0 para o Brasil”, encerrou.

Muro e sarjeta da casa de José Carlos Dourado já estão com as cores do Brasil

Vizinho de bairro de Júlio César Braga Lahos, o aposentado José Carlos Dourado, 54 anos, que mora na rua Benedita Ditinha Domingues, também já está no clima para torcer pelo Brasil. Pela primeira vez ele diz que pintou a calçada e o muro da casa e espera dar sorte para a Seleção.

“Deu vontade de pintar para confiar um pouco mais na Seleção. Acho que temos tudo para ir, estamos no caminho certo. Tomara que eu seja pé quente para levarmos essa”, brincou Dourado, que gastou três litros de tinta e finalizou o trabalho com ajuda de familiares e amigos.

“Eu gosto demais da Seleção. Sou Brasil até a morte. E para domingo, na estreia, eu espero uns 3 a 0. Para começar já está bom e eu gostaria de pegar a Argentina na final e nós metermos o couro, é lógico”, finalizou.

Por Marcelo Schaffauser

SEM COMENTÁRIOS