Esquenta briga entre Executivo e Legislativo de Cedral

Prefeito Janjão sofreu AVC e está afastado por ordens médicas

A briga política em Cedral ganha novos capítulos. Uma munícipe protocolou, na Câmara, um pedido de cassação do mandato do presidente do Legislativo, Danilo Menani Tavaeira (PP). Segundo ela, o presidente da Casa já foi condenado em primeira instância por improbidade administrativa por fraude em licitação. O presidente recorreu do processo que ainda corre na Justiça em grau de recurso.

Em contato com o presidente da Câmara de Cedral, o Dhoje ouviu do vereador que a movimentação tem cunho político. “Obviamente é uma manobra política. Estamos em lados opostos e só quem tem acesso a esse processo somos a prefeitura e eu. Não sei como ela conseguiu detalhes disso”, comentou.

Dhoje Interior

Perguntado se saberia dizer “quem seriam os mandantes do caso”, Danilo não quis entrar em “fogo cruzado” e respondeu somente que estava tranquilo e havia recorrido da decisão.

O DHoje também entrou em contato com a munícipe que protocolou o documento na Câmara. Maria José Bahia disse que não é ligada a nenhum partido ou grupo político e que “fez isso porque é meu direito como cidadã”.

Após alguns minutos de conversa, quando ela foi questionada sobre como tomou ciência do processo, disse que “todo mundo sabe disso, mas eu vou falar primeiro com meu advogado e depois nos falamos”.

A Câmara, por sua vez, arquivou o pedido da munícipe e, segundo o presidente, “se deve porque os pares não encontraram cabimento nos documentos protocolados”.
Com essa situação em evidência, o DHoje enviou à Prefeitura uma série de questionamentos envolvendo tanto as investigações contra o prefeito, quanto se há problemas que surgiram após o afastamento do prefeito Paulo Ricardo Beolchi de Lucas, o Janjão.

Em resposta, a Prefeitura de Cedral disse que não entende os motivos dos impasses com o Legislativo. “Estamos sim enfrentando problemas com a falta de diálogo com a Casa de Leis. Na semana passada, por exemplo, foi solicitada uma sessão extraordinária e até agora não obtivemos resposta. Na pauta estão assuntos importantes, como o projeto que autoriza abertura de crédito adicional suplementar para diversos setores, incluindo a saúde, que é de extrema importância. Isto se deve pelo fato dos vereadores não terem aprovado o orçamento para 2019”, diz a Administração.

Ainda de acordo com o Executivo, há dinheiro em caixa disponível para cumprir com os compromissos em aberto, mas encontra problemas, pois “está administrando com orçamento de 2018, que não supre a crescente demanda do município”.

“A Prefeitura de Cedral não entende o porquê deste empasse com o legislativo. Estamos sim enfrentando problemas com a falta de diálogo com a casa de leis. Na semana passada, por exemplo, foi solicitada uma sessão extraordinária e até agora não obtivemos resposta. Na pauta estão assuntos importantes como o projeto que autoriza abertura de crédito adicional suplementar para diversos setores, incluindo a saúde, que é de extrema importância. Isto se deve pelo fato dos vereadores não terem aprovado o orçamento para 2019. Hoje a administração tem dinheiro em conta para realizar uma boa gestão, mas depende dos vereadores para aprovar os créditos adicionais, pois esta administrando com o orçamento de 2018, que não supre a crescente demanda do município. Infelizmente algumas ações tem prejudicado sim o andamento da administração, pois dependemos da casa, que hoje tem a maioria dos vereadores de oposição ocupando as cadeiras. Quem mais sofre com  isto é a população, pois é o dinheiro de todos que está parado aguardando para ser investido. Não temos informações sobre o andamento da CEI que foi aprovada pela Câmara Municipal, já que o prefeito Janjão está afastado por motivos de saúde. Sobre o protocolo da munícipe que solicitou processo de investigação contra o Presidente da Câmara, a prefeitura  não teve acesso ao conteúdo e prefere não se manifestar.”

O DHoje tentou novo contato com o presidente da Câmara para esclarecimentos sobre essa situação, mas o vereador estava em reunião e até o fechamento desta edição não retornou aos contatos.

Por Ygor Andrade