Esap inaugura Estação de Tratamento de Esgoto Jurupeba

A Esap, concessionária dos serviços de água e esgoto de Palestina, controlada pela Iguá Saneamento e Aviva Ambiental, fez a entrega da Estação de Tratamento de Esgoto Jurupeba, importante obra para o desenvolvimento do município e para a vida dos 400 moradores do distrito.

Com isso, Palestina atingirá 97% de cobertura de coleta e tratamento de esgoto, faltando muito pouco para a universalização do serviço.

Dhoje Interior

O evento contou apenas com a presença de representantes da concessionária e de autoridades e foi implantado um protocolo específico de solenidade, seguindo todas as medidas recomendadas pelos órgãos de saúde para a prevenção da Covid-19.

Para evitar aglomerações, a cobertura completa da cerimônia está disponível na página da Esap no Facebook. O público terá a oportunidade de conhecer a estrutura da estação por meio de um tour virtual e acompanhará a execução da primeira interligação de esgoto de um imóvel do distrito.

O sistema de tratamento utilizado na ETE Jurupeba é o de lodos ativados com aeração prolongada. O processo engloba as etapas: tratamento preliminar, remoção de nutrientes, tratamento biológico (aeração prolongada), polimento do esgoto (filtração), desinfecção e tratamento de lodo. A tecnologia empregada é mais eficaz ao evitar o mau cheiro no processo de tratamento dos efluentes.

Para o diretor operacional da Esap, Antonio Hercules Neto, essa entrega é mais um investimento no futuro de Palestina. “Sabemos que tratar esgoto é cuidar do meio ambiente e das pessoas. Nossa equipe, formada por profissionais da cidade, está orgulhosa com a conclusão de mais uma obra importante que transformará de forma significativa a vida dos moradores de Jurupeba”, disse.

Segundo ele, essa foi a primeira cerimônia de inauguração em formato virtual, algo inédito até então entre as 18 operações da Iguá Saneamento. “Estamos honrando mais esse compromisso com nossos clientes, mas de uma forma responsável e segura”, afirma.

Segundo o prefeito de Palestina, Fernando Semedo, a obra é fundamental para o desenvolvimento do distrito. “O compromisso da Esap com a Prefeitura gera saúde e qualidade de vida para todos os palestinenses”, fala.

“São poucos os municípios brasileiros que atingiram esse nível de serviços e estamos orgulhosos em fazer parte dessa história”, destaca o presidente da Aviva Ambiental, Alexandre Lopes.

Para Percy Soares Neto, diretor executivo da ABCON/SINDCON, a inauguração da estação Jurupeba é mais uma conquista importante para a cidade de Palestina, que, graças à parceria com a iniciativa privada na concessão dos serviços de saneamento, está prestes a atingir a tão sonhada universalização.

“É também um exemplo de como cidades de pequeno porte podem ser referência em tecnologia e gestão no saneamento. Palestina já tinha um dos menores índices de perdas d’água e agora passa a contar com um tratamento de esgoto dos mais modernos e sustentáveis adotados pelas concessionárias de saneamento no país”, ressalta.

 

Moradores aprovam chegada do tratamento de esgoto em Jurupeba

Marcos Antonio, de 55 anos, proprietário da Mercearia Fortaleza, pai do Luiz Marcos e marido da Francisca, aprova a novidade. “Tudo que é para o crescimento desse local que gosto tanto é importante para nós e, principalmente, para as nossas crianças, para o futuro”. O comerciante sabe o que é morar numa cidade com saneamento básico porque viveu por muitos anos em Matão e São José do Rio Preto, mas escolheu voltar para Jurupeba há nove anos em busca de mais tranquilidade para criar seu filho. “Tenho muitas boas recordações de pescar, nadar no córrego Guardamor e correr pelas ruas desse lugar”, relembra.

Outro morador que está otimista com a entrada em operação da nova ETE é Benedito Bernardes da Silva, de 69 anos. Ele foi criado em Jurupeba, mas depois de adulto mudou-se para Campinas, onde viveu por 46 anos, porém há três decidiu voltar para o distrito. Para ele, um dos melhores benefícios de contar com uma Estação de Tratamento de Esgoto é a possibilidade de investir, já que para conseguir financiamentos, por exemplo, é obrigatório que o imóvel esteja em um local com rede adequada de esgotamento sanitário. Sem a rede de coleta, nem mesmo a certidão “habitese” é possível emitir para as construções. “Com certeza, será um marco para o nosso distrito. Essa obra traz junto com ela desenvolvimento e melhor qualidade de vida para todos nós”, afirma.

Esgoto em Palestina

 

O município de Palestina, composto pela área urbana e três distritos (Jurupeba, Boturuna e Duplo Céu), possui atualmente 95% do esgoto coletado e tratado e duas estações de tratamento de esgoto em operação, a ETE Piau e a ETE Duplo Céu.

O município e o distrito de Duplo Céu possuem 100% do seu esgoto coletado e tratado. Com a entrega da ETE Jurupeba o tratamento passará a 97%. A estação deve entrar em operação nos próximos três meses.

Para alcançar a universalização, a Esap já iniciou a construção de um sistema de tratamento em Boturuna, obra que está prevista para ser concluída no primeiro semestre de 2021.

A eficiência das estações de tratamento de esgoto traz diversos benefícios à população, como a melhoria significativa no desenvolvimento, na qualidade de vida, sobretudo para a saúde pública e educação, além da valorização dos imóveis, da despoluição dos rios e da preservação dos recursos hídricos.

Saúde, desenvolvimento e meio ambiente

 

Tratar o esgoto é cuidar da saúde. Nessa área o saneamento básico reduz os riscos de doenças e custos com serviços de saúde, além de aumentar a produtividade no trabalho e o rendimento escolar.

Segundo o Ministério da Saúde, a cada real gasto em saneamento, nove são economizados em saúde. Os indicadores da saúde pública em Palestina têm melhorado desde 2008. De acordo com dados do DATASUS, a taxa de pessoas internadas por diarreia chegou a 1,9 por mil habitantes em 2011, hoje esse índice é de 0,2 internações.

Tratar o esgoto é cuidar da cidade e é ter a certeza de um futuro melhor. Entre os benefícios estão a valorização dos imóveis, o desenvolvimento da região por possibilitar linhas de créditos e investimentos, a expansão do turismo e outras atividades econômicas e a geração de empregos e renda.

 

Em relação ao meio ambiente, o esgoto tratado diminui a poluição de rios e solo, como é o caso dos córregos Piau, Pontal (Duplo Céu), Guardamor (Jurupeba) e futuramente o córrego Formiga (Boturuna), além de preservar o ecossistema, já que o efluente devolvido para a natureza, depois de passar pelo processo de tratamento, é muitas vezes até mais limpo que a própria água do córrego.

O lançamento de esgoto in natura é a principal causa de poluição dos corpos hídricos nas cidades, onde mais de 110 mil quilômetros de rios estão poluídos por terem contato direto com esgotos, de acordo com a Agência Nacional das Águas.

Em, Palestina esse cenário tem se transformado ao longo dos últimos anos. Um dos principais indicadores para comprovar a eficiência do tratamento de uma Estação de Tratamento de Esgoto é o DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio), que corresponde à quantidade necessária de oxigênio para estabilizar a matéria orgânica presente nas lagoas de tratamento.

A cidade atende a esse parâmetro de forma exemplar. O DBO obtido por seus sistemas chega próximo dos níveis dos córregos receptores, ou seja, bem acima da taxa referencial exigida. De acordo com o Decreto Estadual 8468 – Artigo 18, o valor máximo permitido é de 60 mg/l ou mínimo de redução de 80%. Nessa última análise, a empresa conseguiu uma eficiência de 99,15%.

Conheça as etapas do tratamento de esgoto da ETE Jurupeba

O esgoto coletado dos imóveis de Jurupeba chega na Estação de Tratamento por meio das redes coletoras, já instaladas no distrito. O processo de tratamento para transformar do esgoto em água limpa é longo e complexo. Entenda como funciona em oito tópicos:

  1. A primeira etapa é o tratamento preliminar, composto com um conjunto de gradeamento, que retém sólidos como pedaços de plástico, madeira, brinquedos descartados na rede.
  2. Depois, o efluente segue para o reator anóxico, onde ocorre o processo denominado desnitrificação, ou seja, a remoção de nitrogênio.
  3. Na sequência, o esgoto é destinado ao distribuidor de vazão, onde inicia o tratamento biológico nos tanques de aeração e reator biológico. Nessa etapa ocorre a formação do lodo ativado e as decomposições biológicas dos poluentes.
  4. Após esse processo biológico, entra em cena o floculador, composto por um agitador mecânico e dosador de coagulante.
  5. Na sequência, o decantador lamelar realiza a separação do lodo e do efluente já clarificado.
  6. O lodo é armazenado no leito de secagem, enquanto o efluente transcorre para o filtro gravitacional dotado de areia e carvão ativado como meio filtrante.
  7. Em seguida ao processo de filtração, o efluente segue para a cisterna e de lá vai para o tanque de desinfecção, onde entra em contato com um agente desinfetante a base de cloro para eliminação dos coliformes.
  8. Por último, o esgoto tratado segue o seu destino final, o córrego Guardamor.

Da REDAÇÃO