Empresas de tecnologia investem em lançamentos em meio à crise

Uma pesquisa realizada pela Apeti (Associação dos Profissionais e Empresas de Tecnologia da Informação) revelou que apesar do impacto nas finanças, 37% das empresas do setor em Rio Preto conseguiram fazer o lançamento de algum produto ou ferramenta durante a pandemia.

A Windsoft foi uma das que conseguiu fazer um lançamento durante esse período. “Colocamos um novo software no mercado na última sexta-feira. Já estávamos com o processo de desenvolvimento há algum tempo e deu tudo certo para lançarmos. Como foi algo recente, ainda não conseguimos fazer uma avaliação sobre esse lançamento”, explicou Gilson Carmo, diretor de negócios da empresa.

Dhoje Interior

Ainda segundo o estudo da Apeti, 40,7% destas empresas afirmam que não lançaram nada ainda, mas que tem o plano de fazer isso a curto prazo. Os produtos colocados no mercado nesse período são, na maioria, aplicações que atendem aos desafios do novo momento, como a necessidade de trabalho remoto e de mobilidade na entrega de produtos e serviços. “Isso ajudou as empresas a evitar demissões, pois 70% dos custos na área de tecnologia são com mão-de-obra”, comentou diretor-presidente da Apeti, Marcelo Lorencin.

Outro fator apontado pela pesquisa foi que 85% das 27 empresas que participaram do estudo afirmaram estar com a totalidade da equipe em home-office. Cerca de 40% apontam que a medida, além da possibilidade de manter a empresa operando mesmo em meio à pandemia, trará redução de custo entre 10 e 20%. “Acredito que home-office é um caminho sem volta. É claro que muitas empresas não vão colocar 100% da operação neste modelo quando a pandemia terminar. Deverá ser uma coisa mais hibrida”, comentou Lorencin.

Entre as medidas adotadas pelas empresas de tecnologia para uma boa adaptação da equipe ao trabalho em home office, estão o empréstimo de móveis e utensílios para os colaboradores, a participação em grupo de estudos sobre trabalho remoto promovido pela Apeti e o atendimento do RH aos trabalhadores, via chamada de vídeo, para discutir medos e anseios.

Por Vinicius LIMA – redação Jornal DHoje Interior