Em dois meses, preço médio da gasolina cai 6% em Rio Preto

Divulgação

O preço médio do litro da gasolina nos postos de Rio Preto teve redução de quase 6% – 26 centavos – em pouco mais de dois meses (novembro, dezembro e início de janeiro), conforme levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O valor do combustível passou de R$ 4,61 para R$ 4,35. Os principais motivos para a queda são o alívio na cotação internacional do petróleo e no câmbio.

A pesquisa é feita em mais de 80 postos da cidade. A mais recente ocorreu nessa semana. O preço médio de R$ 4,35 foi obtido a partir do mínimo de R$ 3,87 e máximo de R$ 4,69. Apesar da queda, consumidores ouvidos pela reportagem do DHoje Interior preferem abastecer com etanol, cujo preço médio ficou quase estável de dezembro para o começo deste ano – R$ 2,47. Em novembro, o valor cobrado pelo etanol nos postos de combustíveis foi de R$ 2,64.

De acordo com o presidente regional do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo) de Rio Preto, Roberto Uehara, a diminuição no valor médio da gasolina tem relações com a queda do dólar e menor cotação dos barris de petróleo, principais influências sobre preço praticado pelas refinarias.

Apesar do registro de baixa no valor da gasolina, Uehara critica a incidência de impostos. “Quando a Petrobras anuncia redução do valor da gasolina na refinaria, as pessoas não entendem que a carga tributária é grande e acaba influindo no preço final do produto. Não adiante diminuir a base de cálculo do preço e não reduzir os impostos”, aponta.

A Petrobras anunciou na última terça-feira uma redução de 1,38% no preço da gasolina vendida em suas refinarias. O litro do combustível está sendo comercializado a R$ 1,4337, dois centavos a menos do que o preço praticado anterior.  Essa é a terceira queda consecutiva do preço do combustível, que começou o ano sendo vendido a R$ 1,5087 por litro.

Para 2019, o presidente do Sincopetro destacou o cenário de otimismo do comércio varejista em relação ao novo governo e acredita melhoria nos preços para o segundo semestre. “Toda mudança de governo traz otimismo e expectativa em todo setor. Temos que aguardar como o mercado econômico vai se comportar. Claro que Jair Bolsonaro não faz milagre, mas esperamos melhoras a partir do segundo semestre”, comenta.

Opinião do povo

Algumas pessoas que rodam bastante com o carro buscam se virar na pesquisa por preços mais baixos nos postos de combustíveis. É o caso do eletricista Antônio Dias Machado. “Como uso bastante o carro por causa do meu serviço, procuro sempre observar preços mais baixos e quando vejo, procuro abastecer”, diz.

O funcionário público Elton Correa Cesari, disse que percebeu queda no valor da gasolina nas bombas dos postos. Mas, mesmo assim, continua abastecendo seu veículo com etanol. “Prefiro abastecer meu carro com álcool, pois é um preço menor. O valor da gasolina caiu se comparado meses atrás, mas ainda não me convenceu.”

Com gasolina, o motor rende mais que o etanol. Muitos proprietários fazem a equação dos 70%. Se o preço do etanol for menor que a gasolina nessa proporção, seria mais viável o combustível da cana. Considerando os valores médios da pesquisa mais recente da ANP.

Por Vinícius MAIA 

 

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS