Economista diz que situação no país é péssima

Raphael Mantoni comentou sobre os dados da FMI, que divulgaram os números do PIB.

Após Fundo Monetário Internacional (FMI) informar, ontem, que a expectativa é de que haja um crescimento de 0,2% para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano e um crescimento de 1,7% para 2018, o professor de economia Raphael Tavares Matonvani, de Rio Preto, afirma que esses números são muito ruins para a economia brasileira.

“Com toda sinceridade, esses números são ruins demais para a nossa situação. Para se ter uma ideia, os índices são mais baixos do que a própria perspectiva dos economistas do Banco Central (BC), que acreditam em um aumento de 0,50% para este não e 2,5% em 2018.”

Ele ainda acredita que a delação que colocou o presidente Michel Temer (PMDB), e o senador Aécio Neves, em situações complicadas com corrupção, afetou ainda mais o país. “Agora, ninguém sabe o que pode acontecer amanhã, o que trabalhar ainda mais a economia, pois os investidores acabam tirando o dinheiro do Brasil e afeta toda a estrutura da inflação e dos juros.”

As projeções para o Brasil estão abaixo do crescimento esperado para a América Latina e o Caribe, uma expansão econômica de 1,1% para a região em 2017 e de 2% em 2018.
As reformas propostas pelo governo e o progresso da incerteza política são fatores que, na avaliação do FMI, continuaram afetando as perspectivas brasileiras.

O FMI diz que o pagamento das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), a venda da soja e o aumento do consumo são fatores que pode melhorar o país.
A Caixa Econômica Federal pagou, até o dia 16 de maio, R$ 24,4 bilhões para trabalhadores nascidos entre janeiro e agosto beneficiados.

O valor pago nas três primeiras fases equivale a 84,3% do total inicialmente previsto (R$ 29 bilhões) para as etapas já liberadas até o momento. O número de que já sacou superou R$ 15,8 milhões e representa 79% das 20,1 milhões de pessoas nascidas no período de janeiro a agosto.

 

Por Franklin Catan

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS