Durante sessão, secretário de Agricultura defende compra de produtos transgênicos para merenda

Pezzuto durante debate na Câmara Municipal nesta terça-feira (Foto: Cláudio Lahos)

O assunto mais comentado na sessão da Câmara Municipal de São José do Rio Preto, na tarde de ontem, foi sobre a liberação ou flexibilização de alimentos transgênicos para o cardápio da rede pública de ensino.

Na Câmara, o secretário de Agricultura, Pedro Pezzuto, defendeu o uso dos produtos transgênicos. Segundo ele, existe uma restrição muito grande na compra e isso afeta todo um planejamento. “Eu não consigo comprar nenhum biscoito se não forem aqueles de coco. Não consigo oferecer um frango com polenta, porque não há como comprar amido de milho. Isso entre outras coisas reduz a variedade que os alunos têm à disposição”, disse.

Dhoje Interior

Perguntado pelo DHoje sobre a questão da compra de alimentos produzidos pela agricultura familiar, o secretário destacou que existe essa procura e que “no ano passado eram 40 famílias e um investimento de aproximadamente R$ 800 mil com todo o programa, mas, em 2019, o número já está em torno de 240 famílias e um gasto de R$ 4 milhões”.

Pezzuto também comentou a respeito de algumas novidades que a cidade apresentará no próximo ano, principalmente em relação à alimentação.

“Ano que vem teremos mais produtos orgânicos, o tomate, por exemplo. Vamos inserir o tomate orgânico no nosso cardápio. Vamos começar a utilizar o adubo orgânico, que forneceremos aos nossos produtores parceiros, e isso tudo vai melhorar a qualidade da nossa alimentação”, destacou, acrecentando que esse adubo orgânico pode chegar a cinco toneladas.

Ainda discorrendo sobre a alimentação, Pezzuto deu destaque aos números da Pasta que mensuram a importância da agricultura familiar. Em 2016, por exemplo, a agricultura familiar era responsável por 20% dos produtos utilizados na merenda escolar. Em 2017, 30% e em 2018 mais de 53%. Hoje, há 19 itens que integram a alimentação escolar que são produzidos em Rio Preto e região.

Finalizando, Pezzuto disse que o pedido da flexibilização se faz necessário para aumentar a variedade de itens para melhorar o cardápio da merenda escolar. “São mais de 40 mil alunos e mais de 130 mil refeições diárias que precisam ser contempladas”, finalizou.

Por Ygor Andrade