Doria terá uma posse enxuta em São Paulo para acompanhar cerimônia em Brasília

O governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), terá uma cerimônia de posse mais ‘enxuta’ nesta terça-feira para conseguir viajar a tempo para Brasília e acompanhar a cerimônia de posse do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL).

A cerimônia na Assembleia Legislativa de São Paulo, onde participam Doria e seu vice, Rodrigo Garcia (DEM), está marcada para começar às 9h no Ibirapuera, na Zona Sul da capital. Em seguida, João Doria seguirá para o Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, onde é realizada a transmissão de cargo e nomeação dos secretários indicados.

Ministro das Relações Exteriores do presidente Michel Temer (MDB), o rio-pretense Aloysio Nunes Ferreira Filho foi convidado por João Doria para comandar a Investe SP, agência paulista de promoção de investimentos.

O número de secretarias será reduzido das atuais 25 para 20 (com ainda mais duas secretarias extraordinárias, de Relações Internacionais e Comunicação). O governo Doria deve ainda estudar a extinção de algumas das atuais 19 empresas estatais paulistas.

Normalmente, a posse dos antigos governadores durou quase todo o dia. Já a cerimônia do tucano será mais curta e também mais econômica. Doria não deve usar os batedores da Polícia Militar e diminuirá o número de comboios, o que exigirá um número menor de seguranças, no trajeto entre a Assembleia e o Palácio. Além disso, não terá recepção com coquetel.

A cerimônia no Palácio deve acabar até o meio-dia, o que habilita o tucano a viajar a Brasília para cerimônia no Planalto.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS