Dólar chega a R$ 4,15 e se aproxima de máxima histórica

Foto Divulgação

No primeiro balanço do mês setembro, a moeda norte-americana mostrou que segue em alta em relação ao Real e atingiu R$ 4,15 (1,93% de aumento). Com isso, o Dólar está próximo de bater máxima histórica de R$ 4,1631, o que deve acontecer antes das eleições de 2018. Para o economista Roosevelt Bormann Filho, a atual política brasileira é responsável pelo crescimento da moeda americana.

“Tanto o cenário internacional, quanto o nacional são fatores que determinam esse crescimento. A instabilidade política no Brasil, ainda mais com o período de eleições, faz com que o mercado se proteja. A tendência é dólar aumentar ainda mais”, afirma. A máxima registrada entre as coletas foi de R$ 4,50 e a mínima R$ 3,20. “Produtos importados consequentemente acabam ficando mais caros e esse custo a mais é repassado para o consumidor final”, explica o economista. Entre os principais produtos importados dos Estados Unidos, destacam-se: aparelhos eletrônicos, aviões, carros e combustíveis. Os americanos são figura constante na lista de maiores exportadores para o Brasil. Entretanto, o Brasil está nem entre os dez maiores importadores para os Estados Unidos.

Em relação à inflação, as estimativas apontam 4,16% para o IPCA (Índice de Preços no Consumidor) até o fim de 2018. A expectativa é de que 4,11% para o ano que vem. O Banco Central (BC) seguiu com a política cambial sem realizar nenhum leilão na última segunda-feira (3). Colaborou: Vinicius LIMA

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS