DIVÓRCIO: Reflexo da separação para as crianças

Gabrielly Gussonate, de 18 anos, sentiu os reflexos da separação dos pais

O impacto de uma separação é grande diante uma criança com entendimentos tão pequenos, e causa um efeito de terremoto para a família, pois causa destruição, a criança sempre é pega de surpresa, pois a família nunca prepara os pequenos para essa situação, e isso pode causar danos aos pequenos.
Segundo o psicólogo e professor de psicologia, Marcus Vinicius Gabriel, os pais que já passam por crises no casamento, não devem negligenciar essas informações, por mais dolorido que seja ambos devem conversar e explicando a possibilidade de uma separação.
Gabrielly Gussonate, hoje com 18 anos, não sente tanto a separação dos pais, mas nem sempre foi assim. Os pais de Gabrielly decidiram se separar quando ela tinha 16 anos, mas há algum tempo o casal já não vivia em uma situação boa, ou seja, a jovem estava preparada pata essa possibilidade. Mesmo com a preparação, a estudante conta que se sentiu desesperada quando viu o sofrimento de sua mãe, e irmã mais nova.
“Sofri bastante, tive que fazer terapia com meu psicólogo, me abalou muito,mas sempre estive a favor, quando o processo de separação acabou me senti aliviada” conta Gussonate.
Os impactos de uma surpresa, quanto à relação dos pais na criança, podem ser muito grandes, comprometendo até mesmo o desenvolvimento do individuo. A criança pode perder o controle emocional, perdendo também o aproveitamento escolar, ou a facilidade de se socializar, qualquer detalhe pode ser motivo de irritação, tudo isso, por não ter o controle das suas emoções, que foram abaladas com uma noticia de tamanho peso.
Um grande furacão, assim que Nicole Gussonate define a separação dos pais, e ainda diz mais, tem vontade que os pais voltem a morar junto, mas entende a escolha dos dois, e sabe que isso é o melhor para eles. A pequena de nove anos, conta também que depois de dois anos do divorcio, ela já se sente bem melhor ao falar do assunto, e conta que recebeu muito carinho dos pais.
“Meus pais sempre conversaram comigo, e nunca deixou de me dar carinho, me senti mais segura, mesmo passando por um momento tão ruim” conta Gussonate.
A parte afetiva é extremamente importante para diminuir os reflexos da separação, fazer ela se sentir amada e importante, pode fazer com que as mesmas tenham mais firmeza e confiança para seguir a vida.
“O dialogo com a criança é extremamente importante, serve não só para a segurança do filho, mas também na evolução do mesmo” diz Gabriel.
No adolescente pode trazer um quadro depressivo, caso o mesmo já tenho uma pré-disposição a ter a doença, por já ter parte de seu psicológico construído, nessa situação é extremamente importante que tenha um acompanhamento de um profissional de psicologia.
Colaboração: Thais LOBATO