Diretor do Procon avisa que troca de presentes é “generosidade” das lojas

TROCA - Após o Natal, consumidores já iniciaram as trocas

Tamanho, cor diferente, número maior, são vários os motivos. Mas, a realidade, é que depois do Natal, muitas pessoas voltam aos centros de compras para iniciar o período de trocas de presentes.

Porém, de acordo com Arnaldo Vieira, diretor do Procon de Rio Preto, o consumidor deve ficar atento, já que o código de defesa não diz que as lojas são obrigadas a realizar as trocas.

“Troca é liberalidade (generosidade) do fornecedor. Algumas lojas já perguntam para o consumidor se é para presente e colocam o selo de troca. Mas pelo código de defesa do consumidor elas são não obrigadas a fazerem isso. É uma liberalidade do fornecedor efetuar a troca por gosto do consumidor”, explica o diretor, lembrando que quando o produto apresentar um vício, ou defeito, nesses casos, a troca é de responsabilidade da loja.

Em Rio Preto, Bruna Peres, vendedora responsável da Forest Store, loja de roupas do Riopreto Shopping, afirma que a procura por trocas é basicamente devido ao tamanho, ou cor do produto.

“Tivemos muitas promoções e o que mais saiu foram camisetas e polos. Então, o pessoal está vindo trocar muito por conta da numeração, ou cor”, diz.
Para diminuir as trocas, Ticiana Bordini, dona da loja de calçados Anacapri, explica que usou as redes sociais.

“Trabalhamos muito com as redes sociais, que ajudaram na divulgação dos produtos e também fizeram com que tivéssemos menos trocas neste ano, já que o consumidor vinha com a foto do produto desejado. Trocamos cerca de 10% das vendas que fizemos. Sempre por conta de tamanho, ou cor”, disse.

Já quem não teve problemas com trocas, comemorou as vendas de final de ano, como Patrícia Bordini, dona da Casa Bauducco. “Em relação ao ano passado vendemos entre 20 a 30% a mais. Panetones e Chocotones foram os grandes campeões de venda”, finalizou.

 

Por Marcelo SCHAFFAUSER

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS