Dia Mundial de Combate à Tuberculose

O Dia Mundial de Combate a Tuberculose, celebrado em 24 de março, tem por objetivo alertar a população sobre a doença, tentando a erradicá-la completamente. A data foi criada em 1982 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da tuberculose, ocorrido em 24 de março de 1882, pelo médico Robert Koch.

Atualmente a incidência da doença em Rio Preto está em declínio e em 2017 foi observado o coeficiente de incidência 18/100.000 habitantes, enquanto no estado o coeficiente detectado foi de 41,2 e o da capital 50,4/100.000. “Somos considerados município prioritário para o Programa de Controle da Tuberculose devido à alta porcentagem de casos de coinfecção TBC/HIV, maiores que a apresentada pelo Estado e pelo Brasil”, disse a Dra Maria Rita de Cássia Oliveira Cury, coordenadora do Ambulatório de Tuberculose e Hanseníase.

Apesar da alta porcentagem de casos de coinfecção, com relação à quantidade geral de casos o município apresentou uma leve queda. No ano passado foram registrados 83 novos casos de tuberculose, sendo que em 2016 tinham sido notificados 90 novos casos da doença. A tuberculose é uma Doença Crônica Transmissível de pessoa para pessoa pelas vias aéreas superiores, causada pela Micobacterium tuberculosis, também chamada de Bacilo de Kock em homenagem a seu descobridor. “É uma das doenças contagiosas que mais mata no Brasil. A tuberculose é uma doença que atinge principalmente os pulmões, mas pode ocorrer em outras partes do nosso corpo, como nos gânglios, rins, ossos, intestinos, pele, meninges e outros”, explicou a médica.

Os grupos de risco da doença incluem as pessoas que possuem o sistema imune ainda não desenvolvido, como as crianças; os idosos que já têm um sistema imune comprometido pela idade ou as pessoas que possuem a síndrome da imunodeficiência adquirida (a tuberculose é uma das primeiras doenças a surgirem com a manifestação da AIDS). Há também os pacientes de risco como os detentos, asilados, acamados, moradores de rua, usuários de drogas, alcoólatras, portadores de doenças como diabetes, cânceres e outras.

Os principais sintomas da doença são: tosse, febre vespertina e baixa, suores noturnos, emagrecimento rápido, perda do apetite e em casos mais avançados escarro com raias de sangue. A forma de transmissão da doença é a forma pulmonar bacilífera. A Transmissão ocorre pelas vias aéreas superiores por fomites contaminados expelidos pela tosse, fala e espirro e aspirados pela outra pessoa. O tratamento da doença dura no mínimo seis meses e se for feito regularmente as chances de cura são de até 95%.

Por Priscila CARVALHO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS