Depois de ‘arrumar a casa’, Edinho fala em mais investimentos para 2019

Foto Divulgação SMCS

“Nossos dois primeiros anos foram para arrumar a casa. Fiz mais de 500 audiências, de dez a quinze eventos por dia. A partir de agora, vamos impor o nosso estilo de governar. Ano que vem haverá muitas licitações e obras”. Em tom de otimismo, o prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), promete melhorar a qualidade de vida e a segurança da população em 2019.

“A infraestrutura sempre foi algo que me preocupou muito. Nesse começo de gestão corrigi muitos projetos, afinal projeto errado é obra errada. Em geral, os projetos para o setor público são feitos às pressas para cumprir prazos legais. Peguei muitos projetos assim, inacabados, ruins, que se levados adiante como estavam iriam desabar, não se sustentavam”, justifica.

Edinho afirma que sempre lutou por grandes questões e causas. “O poder público tem que dar oportunidade, principalmente para quem não vem de família abastada. Rio Preto é uma das melhores cidades para se viver. E quem diz isso não sou eu, mas a Firjan, Revista Exame e outras instituições renomadas. Aqui temos maior expectativa de vida, melhor ambiente para negócios. Tem água e esgoto tratados. Pegamos a economia em tempos de crise, com crescimento zero ou menos zero. Se o Brasil crescer, Rio Preto crescerá mais”, ressalta.

Ao avaliar a sua gestão, o prefeito foi enfático ao dizer que a cidade tem economia diversificada, com destaque para as áreas de prestação de serviço, medicina, educação, agricultura, comércio e usinas de açúcar e etanol.

“A nossa área médica é pujante. Temos várias faculdades. Somos a maior região produtora de borracha. Produzimos hortifrútis, leite, carne e combustível. A iniciativa privada gera empregos e ao poder público compete buscar e canalizar recursos nas áreas prioritárias, visando tornar o município cada vez mais democrático, humano e solidário”, argumenta.
Sobre tornar Rio Preto uma cidade de todos, Edinho salienta que investiu em calçadas e piso tátil, em ações culturais, educacionais e para saúde e em mobilidade para que as minorias sejam acolhidas.

“Se tivesse apenas um cego, uma pessoa deficiente, valeria a pena investir em melhorias. Assumimos com a ONU compromisso de implementar 17 objetivos para o desenvolvimento sustentável e vamos lutar por isso”, pondera.

OBRAS EM ANDAMENTO
Sem falar em data para inaugurar a Estação Central Parque, na Praça Cívica, o prefeito coloca a obra como uma das mais importantes para o planejamento municipal de acessibilidade e mobilidade urbana.

“Foram necessárias correções nos projetos do terminal urbano e corredores de ônibus, além das instalações das novas calçadas que seguem as normas e padrões de acessibilidade e mobilidade urbana, mas agora tudo está em ordem”, pontua.

Ele também classifica como grandes avanços a construção do novo viaduto da Região Norte para desafogar o trânsito nas avenidas Mirassolândia, Domingos Falavina e Ernani Pires Domingues e os 14 novos acessos com a duplicação da BR-153.
“Serão mais de 500 metros de viaduto, sem contar com os acessos. Uma grande conquista para a Região Norte e para toda a cidade”, frisa.

E complementa que “graças à parceria com o Governo Federal, esse sonho antigo do rio-pretense saiu do papel e vai beneficiar também a região. A duplicação é uma das maiores obras rodoviárias em andamento no país e está com 65% dos trabalhos concluídos. Não faltaram recursos em 2018 e para o próximo ano já há previsão orçamentária para a continuidade dos serviços”.

Conforme Edinho, a Prefeitura fez 200 quilômetros de asfalto novo neste ano. Ele informa que “mais recursos para investimentos em obras, recape, reflorestamento, galerias pluviais, drenagens e canalizações, pavimentação asfáltica e recapeamento estão garantidos com o Finisa, no valor de R$ 203 milhões.

“Quando deixei a prefeitura, tinha três módulos na ETE para atender uma população de até 450 mil pessoas. Ao retornar, oito anos depois, nenhum módulo novo havia sido feito e o número de habitantes não para de crescer. Em dois anos, estamos fazendo o quarto módulo para o tratamento de esgoto, afinal a cidade tem que ter presente e futuro”, comenta.

EDUCAÇÃO
Para o prefeito, a dispensa dos Anjos da Guarda foi uma necessidade. “Não pude renovar o contrato em 2017 para fechar as contas. Se não fizesse isso, seria punido, sofreria processo e ficaria inelegível. As depredações que ocorreram pareceram coisa orquestrada. Mas, em 2018, com a casa em ordem, contratamos mais de 280 Anjos da Escola. O concurso público para Educação é o maior do Brasil. Serão 490 professores”, avalia.
Edinho afirma que no ano passado eram atendidos na rede municipal de ensino 36 mil crianças. “Hoje são 40,3 mil estudantes. Temos o transporte escolar e 173 mil refeições por dia. Compramos 19 novos ônibus. Os uniformes escolares estão garantidos. Qual orçamento que resiste?”, indaga.

Ele lembra que a Prefeitura de Rio Preto cedeu o prédio do antigo Cefam para o Instituto Federal de São Paulo que já está em obras e com vestibular previsto para 2019.Os primeiros cursos serão na área de audiovisuais.

SAÚDE
“Quebramos o tabu de que pobres, pessoas simples, não podem ter coisa bonita com a criação do Centro de Especialidades, no Plaza Shopping. Agora a questão dos leitos é um problema sério que estamos enfrentando. Quanto maior a empresa, a cidade, maior a realidade, o desafio. Estamos gastando 25% do orçamento com a Saúde, quando o mínimo exigido é 15%, mas sempre é pouco. Muitas vezes pagamos pelo mérito. Melhoramos o setor e a demanda aumenta”, diz o prefeito, que comemora o fato de ter aumentado o teto do SUS após 13 anos.

LIXO
Não é fácil manter Rio Preto limpa, segundo o prefeito. “Você só volta no comércio de uma cidade se for bem recebido e se a cidade for limpa. Quando assumi a prefeitura havia 1.800 pontos de desova irregular de lixo e os 15 pontos de apoio estavam abandonados. Reformamos todos e agora estamos construindo mais três pontos de apoio. O prefeito sozinho não consegue manter o município limpo. Não há servidores suficientes. Precisamos da colaboração da população”, afirma.

Edinho acrescenta que foram retiradas mais de 34 mil toneladas de lixo em locais clandestinos. “Gastamos R$ 8 milhões em uma licitação emergencial contra dengue e escorpião. A limpeza terminou num dia e no outro já estava sujo de novo. Procuramos educar nossas crianças para conscientizar os pais”, observa.

O prefeito é enfático ao dizer que Rio Preto tem ordem, comando e programação. “Nosso governo é democrático, não está engessado. Pode sofrer alterações, desde que caibam no orçamento. A receita é provável, mas a despesa é certa. O Executivo precisa da parceria com a Câmara. Havendo harmonia entre os poderes quem ganha é a cidade”, finaliza.

 

Por Daniele Jammal

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS