Defesa Civil de Rio Preto inicia Operação Corta Fogo

Polícia Militar Ambiental, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Fiscais de Posturas e Instituto Florestal deram início a operação de prevenção e combate a incêndios

Períodos de estiagem de 2019 será crítico, destaca Coronel Lamin

Na manhã desta segunda-feira (17), a Defesa Civil de São José do Rio Preto, juntamente com a Polícia Militar Ambiental o Corpo de Bombeiros, Fiscais de Posturas e o Instituto Florestal, lançou uma operação de combate a incêndios no período de estiagem. A Operação Corta Fogo, tem como objetivo garantir a integridade dos campos e florestas da região por meio de ações de prevenção, monitoramento e combate ao fogo não autorizado ou fora de controle.

O Coronel Carlos Lamin, da Defesa Civil, salientou a importância de contar com todo tipo de ajuda para evitar que focos de incêndio aconteçam e se espalhem como em setembro de 2017 onde foram precisos 11 dias para acabar com um incêndio na região da IPA. “Nós contamos hoje com câmeras de segurança monitorando alguns locais, além de drones que farão essa fiscalização. Dados de um instituto de meteorologia apontam que pode chover na segunda metade de julho, mas isso é muito incerto. Já estamos há 14 dias sem chuva e as baixas temperaturas que enfrentaremos este ano colaboram para o aumento das chances de queimadas”, destacou Lamin.

Ao lado dele, o biólogo e gestor da Floresta Estadual, Narciso Santos Costa comentou que pequenas fagulhas podem iniciar incêndios de grandes proporções. “Nesse incêndio, por exemplo, nós conseguíamos conter as chamas, mas duas ou três horas depois o fogo estava lá de novo. Às vezes uma pequena fagulha que o vento leva, pode causar um estrago imenso e, com essa operação de monitoramento e prevenção, podemos evitar alguns problemas”, completou.

Um dos pontos destacados pelos responsáveis pela Operação foi em relação à presença de pessoas desautorizadas em locais onde seja mais fácil o início de queimadas. O Capitão da PMA, Cassius José destacou que, nesses momentos, é fundamental que haja controle de acesso para evitar que incidentes ou incêndios criminosos acabem acontecendo. “Por isso, acabamos contando também, além do apoio dos nossos parceiros, do aumento de 25 serviços extras de policiais que estão de folga e realizam esse patrulhamento. O Estado conta com o DEJEM (Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho), que nos permite aumentar o efetivo nessas áreas e em pontos estratégicos”, disse.

Ainda de acordo com o Coronel Lamin, o período de estiagem deste ano será bastante crítico, e é necessário que a população entenda que a preocupação não deve ter somente as áreas rurais como foco. “Existem muitos terrenos na cidade, onde são feitas limpezas, mas a sobra, o mato, ainda fica lá, secando. Isso é um dos grandes motivos que faz com que doenças respiratórias acabem sendo fortalecidas e prejudicando ainda mais nossa população. É preciso que haja consciência e que o rio-pretense não queime lixo em casa, contrate uma pessoa que faça a limpeza de quintais ou terrenos e recolha o material ou mesmo deixe ensacado para que o pessoal da limpeza pública leve esses restos”, salientou.

O Capitão dos Bombeiros, Ibrahim Nagib Karam Junior fez questão de lembrar do período festivo que estamos e salientou que não se deve soltar balões. “Além de ser crime, dois em cada três balões que são soltos caem acesos acarretando em incêndios”, finalizou.

Por Ygor ANDRADE

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS