Crise faz motoristas rodarem sem estar com manutenção preventiva em dia

Com crise, motoristas deixam de lado manutenção preventiva de veículos. Foto Jaqueline BARROS

Manter um carro, para muitos, ainda é sinônimo de despesa. A forma simples, de acordo com especialistas, para se conservar o carro em dia e sem prejuízos é optar pela manutenção preventiva do veículo, onde o condutor pode programar a parada para a execução dos serviços e sanar problemas como desgastes prematuros que podem levar à quebra inesperada ou alguma falha.
Segundo o proprietário da Mecânica Avançado, Alessandro Tawil, tempos atrás os motoristas chegavam até o local e solicitavam revisão completa. Agora, com a crise, eles pedem apenas revisão de algumas peças.

“Neste ano a verba continua curta e os motoristas estão fazendo apenas o que precisa. Geralmente chegam aqui e realizam só a troca de óleo, filtros e freios, além dos pneus. Antigamente, cerca de 30% dos clientes optavam por uma manutenção preventiva, mas hoje o número não chega a 10%”, relata.

Segundo Alessandro, muitos motoristas deixam de lado o relatório de uma oficina mecânica e só aparecem quando o carro quebra. “O mecânico precisa ser de confiança, já que é ele que vai avaliar as reais condições de tráfego do veículo. Hoje quem tem um carro precisa de visitas programadas para evitar gastos ainda maiores”, afirma.
O jornalista Fabrício Santana fez o último check-up no carro, para curtir o feriado prologando de Corpus Christi, em 20 de junho. “Minha família mora em Goiânia e eu não descuido do veículo. Além de ser uma rotina checar itens do carro, procuro reforçar minha segurança quando pego a estrada. Nesta última viagem aproveitei para olhar óleo, freio, pneus e o estepe”, explicou.
Alessandro ainda destacou que a manutenção preventiva sai bem mais em conta do que o famoso ‘apagar incêndio’. “Se o cliente realiza a manutenção preventiva, o custo, dependendo do carro, varia entre R$ 200 e R$ 250. Sai de casa olhando somente o problema detectado, sem uma boa revisão pode custar mais de R$ 1 mil caso o veículo deixe o motorista na rodovia”, afirmOU.
Além dos feriados prolongados, com a proximidade das férias escolares a orientação é para que os motoristas tenham cuidado antes de pegar a estrada.
Claudio Cardoso, gerente dos Centros Automotivos Porto Seguro, destacou quais os pontos precisam de uma atenção maior dos condutores. “É preciso olhar a bateria, que tem um desgaste maior por conta das baixas temperaturas; óleo lubrificante deve ser olhado semanalmente para verificar se não existe nenhum tipo de vazamento. A troca do fluido de freio, pastilhas e discos; os pneus devem ser trocados para garantir segurança e evitar multas. Verificação do nível da água. Checar lâmpadas, lanternas e faróis; macaco, triângulo e chave de roda. Independente do local da viagem é essencial viajar com segurança”, finalizou.

Redação jornal DHoje Interior – Jaqueline BARROS

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS