Conta bancária de cartório é alvo de hackers

Foto: GUILHERME RAMOS

A conta bancária de um cartório foi alvo de hackers na tarde de quinta-feira (30), na Vila Maceno, em Rio Preto. O prejuízo ficou em R$ 35 mil.

Segundo consta no boletim de ocorrência, o tabelião do cartório relatou que recebeu uma ligação de um homem e foi orientado a baixar um aplicativo para o computador, com a justificativa de atualizar o sistema de segurança da conta bancária.

A vítima instalou o aplicativo e confirmou que estava funcionando normalmente. Também conseguiu ter acesso ao saldo da conta corrente, mas não realizou nenhuma transação.

Ao acessar a conta novamente, o escrivão percebeu uma transferência de R$ 35 mil para outra conta, cujo titular já está devidamente identificado.

A suspeita é de que o aplicativo tenha facilitado o acesso dos hackers à conta bancária do cartório. A Polícia Civil está investigando o caso como estelionato.

Mais prejuízo

Dois rio-pretenses foram vítimas de estelionato. O caso aconteceu na tarde de sexta-feira (01) e o prejuízo ficou em mais de R$ 40 mil.

Um almoxarife, de 36 anos, contou que anunciou um carro na internet pelo valor de R$ 56 mil. Dias depois, um homem de nome Leonardo o procurou por telefone e explicou que ficaria com o veículo para pagar uma dívida judicial, mas que uma pessoa iria busca-lo e que não era para falar de valores.

Atendendo ao pedido do suposto comprador, o almoxarife recebeu um homem, de 46 anos, que aprovou o veículo e deram início ao procedimento de compra e venda.

Quando já estavam no cartório para fazer a transferência do veículo, o almoxarife recebeu uma foto com o comprovante do depósito bancário no valor de R$ 56 mil e assinou o recibo do veículo. O almoxarife se ofereceu para levar o homem, acompanhado da esposa, até a casa.

Enquanto prestava assistência à mulher, que havia passado mal, o almoxarife consultou a conta bancária e descobriu que não havia depósito algum em sua conta.

Os dois homens discutiram e foram até a delegacia para registar o caso. Durante o registro, perceberam que haviam caído em um golpe.

O homem, que seria o comprador do veículo, contou que viu o anúncio do carro na internet por um preço atrativo. Ele entrou em contato com um homem chamado Leonardo que explicou que o carro estava no nome de um cunhado e que não era para falar de preços durante a transferência. Também depositou R$ 40,5 mil em uma conta bancária.

A Polícia Civil suspeita que o titular da conta bancária, de um banco de Cuiabá (MT), tenha usado o nome de Leonardo para enganar os dois rio-pretenses e está investigando o caso.

Por Bia MENEGILDO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS