Considerada área de risco, Rio Preto tem 93% de imunização contra a febre amarela

Caso a população encontre macacos mortos ou doentes, deve informar o mais rapidamente ao serviço de saúde do município. Matar animais é considerado crime ambiental pelo Art. 29 da Lei n° 9.605/98 e pode gerar pena de seis meses a um ano de detenção, mais multa

Há mais de 20 anos considerada como área de risco, Rio Preto atualmente já possui cobertura vacinal de 93% da febre amarela, sendo que o último caso da doença registrado em humanos foi no ano de 2000. Ontem, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou todo o Estado de São Paulo como área de risco para a doença.

Por Rio Preto já estar há muitos nessa lista, o fato colaborou para o aumento da vacinação no município ao longo dos anos, sendo que a cidade também está na área de recomendação da vacina há longa data. A vacinação em Rio Preto segue no esquema de dose padrão (não-fracionada) e única. A aplicação da dose fracionada será realizada em municípios específicos onde a vacina não era recomendada anteriormente.

Dhoje Interior

A vacina contra a febre amarela faz parte do calendário regular de vacinação do município e basta uma única dose para garantir a proteção permanente. É importante que os residentes não-vacinados se imunizem, bem como os viajantes que pretendem passar por Rio Preto, visto que a cidade é considerada área de risco.

As 27 unidades de saúde estão com estoque suficiente de doses para atender a população que ainda não foi vacinada, cerca de 7%. A vacina é recomendada a partir dos nove meses de idade, enquanto a restrição é para pessoas que tenham alergia a ovo, quem esteja fazendo tratamento com imunossupressores, grávidas e mulheres que estão amamentando bebês com menos de seis meses.

Pelo município no ano passado foram encontrados 102 macacos mortos, sendo que em apenas um foi confirmada a morte por febre amarela. Já no início deste ano outros três primatas foram encontrados mortos, no dia 2 pelo distrito de Engenheiro Schimitt e nos dias 11 e 12 nos bairros rio-pretenses Jaguaré e Caic, respectivamente. Amostras de sangue dos animais foram encaminhadas ao Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, onde o laudo determinará a causa do óbito nos próximos dias.

É importante frisar que o macaco não transmite a febre amarela, ele é apenas uma vítima da doença, assim como os humanos. Quem transmite o vírus no meio urbano são fêmeas de mosquitos Aedes aegypti, sendo que uma fêmea de mosquito infectada com o vírus, ao picar um macaco, acaba transmitindo o vírus ao animal, que adoece. E as fêmeas de mosquitos não infectadas quando picam um macaco doente, adquirem o vírus e passam a transmiti-lo.

 

Doe sangue antes de se vacinar contra a febre amarela

A Fundação Pró-Sangue recomenda que as pessoas façam sua doação de sangue antes de tomarem a vacina contra a febre amarela. Aqueles que receberam a vacina devem esperar 28 dias para realizar a sua doação.

As pessoas que estiveram em algum município com caso confirmado da doença devem aguardar 30 dias. Quem recebeu a vacina da febre amarela há mais de 28 dias pode doar mesmo que seja de municípios com casos confirmados da doença.

Já aqueles que contraíram a enfermidade devem aguardar 6 meses após a recuperação clínica completa (alta médica) para doar sangue.

Para doar sangue basta estar em boas condições de saúde, vir alimentado, ter entre 16 e 69 anos (para menores, consultar site da Pró-Sangue), pesar mais de 50 kg e trazer documento de identidade original com foto recente, que permita a identificação do candidato. Vale lembrar que é bom evitar alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação e, no caso de bebidas alcoólicas, 12 horas antes. Se a pessoa estiver com gripe ou resfriado, não deve doar temporariamente. Mesmo que tenha se recuperado, deve aguardar uma semana para que esteja novamente apta à doação. No mais, outros impedimentos poderão ser identificados durante a entrevista de triagem, no dia da doação. Para tanto, basta acessar o site da Pró-Sangue e consultar os pré-requisitos de doação.

 

Por Priscila Carvalho