Conscientização marca Dia Nacional da Hipertensão

Foto: Divulgação

No calendário brasileiro, 26 de abril é reservado para celebrar o Dia Nacional de Preservação e Combate à Hipertensão Arterial. Em alusão ao dia, os alunos da Famerp realizam a campanha ‘Menos Pressão’ com atendimentos gratuitos no Plaza Avenida Shopping, hoje, das 10h às 22h.

Os estudantes vão aferir pressão arterial, peso, altura, IMC e Circunferência abdominal. Além disso, a população será orientada sobre a prevenção e controle da hipertensão, frisando a necessidade da diminuição a ingestão de sal, aumento do consumo de frutas e hortaliças e prática frequente de exercícios físicos.

Outra ação com o objetivo de conscientiza a população sobre a hipertensão será realizada, neste domingo (28), pela Unimed de Rio Preto. A instituição promoverá várias atividade na avenida Philadelpho Gouveia Neto, cruzamento com a avenida Antônio Marques dos Santos, das 8h às 12h.

Os participantes vão poder usufruir do projeto Ciclovida (empréstimo de bicicletas gratuitamente), quitanda com distribuição de frutas, alongamento com aula de dança e Oficina do Sol, com orientações alimentares. Tudo oferecido de forma gratuita, basta comparecer ao local.

Os eventos oferecidos à população rio-pretense têm como objetivo chamar a atenção de todos para a hipertensão arterial, doença que atinge mais de 30 milhões de pessoas no Brasil e mais de 1 bilhão no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Hipertensão arterial

A hipertensão arterial sistêmica (HAS), popularmente conhecida como pressão alta, é uma condição clínica que tem como principal característica o nível elevado da pressão arterial. O limite considerado normal da pressão é quando a máxima está em 120 e a mínima 80 milímetros de mercúrio, conhecido como 12 por 8.

Como explica o doutor José Carlos Aidar Ayoub, cardiologista e diretor do Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC), a hipertensão está diretamente relacionada à resistência e endurecimento dos vasos sanguíneos para a passagem do sangue, forçando mais o coração para bombear o sangue.

Doença silenciosa e assintomática, mas de acordo com o médico alguns sintomas podem aparecer, como dores no peito, tonturas, dores de cabeça, zumbido no ouvido e visão turva.

“Se não tratada, pode provocar problemas mais sérios, como AVC, por infarto agudo do miocárdio ou doença renal crônica. A hipertensão arterial também pode levar a uma atrofia do músculo do coração, o que causa arritmia cardíaca”, alerta Ayoub.

De acordo com o cardiologista, o histórico familiar caracteriza o grupo de maior risco, mas alguns fatores podem influenciar os níveis da pressão arterial, referentes, especialmente, ao estilo de vida, como consumo de bebidas alcoólicas, obesidade, idade, sedentarismo e consumo excessivo de sal.

Por Leandro BRITO