Confira ‘Nos Bastidores da Política’ deste sábado (8)

Rocha

Antônio Pereira (PMN, foto ao lado do presidente estadual do partido), rebateu previsão de adversários políticos de que sua pré-candidatura a prefeito não vai prosperar por falta de estrutura. “Está mais firme que rocha”, diz. Antecipou que vai divulgar em breve a sigla do parceiro de chapa. O acordo, diz ele, será chancelado em reunião entre o presidente estadual do PMN, João Francisco Garcia, e o presidente da sigla que será amarrada a aliança, sexta-feira, em São Paulo. Pereira disse que na reunião será definido quem encabeçará a chapa como candidato a prefeito, se é ele ou do seu provável parceiro.

Dhoje Interior

Interesse

O vereador Renato Pupo (PSDB) também tem interesse em firmar aliança com o PSL para reforçar sua pré-candidatura a prefeito. Para tanto, Marco Casale teria de desistir de sua pré-candidatura para firmar uma aliança PSDB/PSL. Neste caso, Pupo sinaliza que gostaria de tê-lo como candidato a vice na chapa majoritária. Sobre o encontro envolvendo Casale e o ex-prefeito Valdomiro Lopes (PSB), Pupo classificou como natural: “Todo mundo está conversando”, ponderou o vereador. A definição, portanto, só nas convenções.

Somar

O saudoso governador Mário Covas (PSDB) dizia que na política tem de somar. Como todo mundo está conversando, é possível também tratativas entre Edinho Araújo (MDB) e Valdomiro Lopes (PSB) com o intuito de amarrar um acordo. Afinal, nas eleições de 2008, Edinho arregaçou a manga e apoiou Valdomiro no segundo turno. Orlando Bolçone, que havia ficado em terceiro no primeiro turno, também entrou no barco do Valdomiro. Foi um reforço e tanto, porque a disputa estava acirrada contra João Paulo Rillo, à época no PT.

Gentileza

Depois Edinho Araújo reclamou de que o então prefeito Valdomiro Lopes estava demorando para concluir as 35 obras que ele havia deixado em andamento. As farpas acabaram criando uma fissura entre os dois líderes que têm comandado a política local nos últimos 20 anos. Agora, não teria chegado a hora de o ex-prefeito Valdomiro retribuir a gentileza, dando apoio ao atual prefeito que irá disputar a reeleição? Como diz a expressão popular: gentileza gera gentileza. Gentileza, portanto, também pode acontecer na política.

Alívio

Mesmo com a expectativa de que Rio Preto permaneceria na fase laranja, o governo Edinho Araújo (MDB) recebeu a informação oficial ontem do governador do estado, João Doria (PSDB), com um certo alívio. Afinal, a cidade também depende do número de infectados pelo coronavírus nas cidades da região, que está elevado. “Lamento o número de mortes e também os casos positivos registrados”, pondera. O prefeito também lamenta os prejuízos à economia, porém, diz que está convicto que a sua prioridade é preservar vidas.

Convenção

O presidente do Patriota, Ulisses Ramalho, informou que a convenção do partido está marcada para 5 de setembro, na Câmara. Será oficializada na convenção a chapa de candidatos a vereador e também a aliança entre Patriota/MDB, com o objetivo de apoiar a candidatura à reeleição do emedebista Edinho Araújo. Por causa da pandemia, entretanto, Ramalho admite que, se covid-19 não estiver sob controle até lá, a convenção poderá ser realizada no sistema remoto. “A convenção tem de ser promovida com segurança”, frisa.

Não dá certo

A comissão externa de enfrentamento à Covid-19 da Câmara Federal promove debate, na próxima terça-feira, sobre a situação dos medicamentos para intubação. Na intubação, o médico insere um tubo desde a boca da pessoa até a traqueia, de forma a manter uma via aberta ao pulmão e garantir a respiração adequada. Alguns hospitais relataram a falta de medicamentos usados para realizar o procedimento, como sedativos e relaxantes. O Brasil tem tudo para não dar certo, porque até para liberar remédios tem de fazer debate.

Insensíveis

Quando assunto é meio ambiente, os governantes continuam insensíveis, vale para o governo federal e estaduais. Dados parciais divulgados pelo INPE, aponta que o desmatamento na região amazônica aumentou 34,4% no período entre agosto de 2018 e julho de 2019, comparado com o mesmo período de 2017 a 2018. O governo de plantão, ao invés de combater o desmatamento e os garimpeiros, decidiu por culpa nos índios. A população das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, deveria levantar bandeira ambiental, afinal, as futuras gerações não podem ficar apenas com ônus.

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior