Confira ‘Nos Bastidores da Política’ desta terça-feira (29)

Fora de contexto

O foco principal de Edinho Araújo (MDB) e do vice Orlando Bolçone (DEM), neste começo da campanha eleitoral, será na rede social por causa da pandemia do novo coronavírus. A partir de 9 de outubro, começa o programa eleitoral gratuito no rádio e na televisão, cujo maior tempo está destinado a dupla Edinho/Bolçone. No último domingo, a dupla focou a propaganda na mídia impressa e na rede social. A assessoria de campanha informou que não terá corpo a corpo para evitar aglomeração por causa do vírus. Nem as caminhadas rápidas pelo Calçadão, que eram praxe em campanhas passadas do emedebista, também estão fora de contexto. O vírus impôs novo comportamento, que acabou com o nostálgico corpo a corpo, pelo menos nesta campanha.

Dhoje Interior

Braseiro

Um meio de campanha eleitoral eficaz que sempre trouxe bons resultados para candidatos a vereador e indiretamente ao candidato a prefeito aliado, era a promoção de churrascadas para reunir grupo de eleitores sob o mesmo teto. Em época de campanha, fazendo um paralelo com as queimadas devastadoras no Pantanal, o braseiro era tão intenso na Zona Norte que até os satélites do Inpe captava fonte de calor naquela região.  Agora, existem duas pedras no caminho dos prováveis legisladores: pandemia e o preço da carne!

Paralelo

Diante desse fato crucial, dá para fazer um paralelo entre a interferência da pandemia do coronavírus e o preço da carne, para saber qual terá mais interferência na redução das churrascadas políticas. Desde que começou a pandemia, o rio-pretense mostrou que não estava preocupado com aglomeração e continuou participando das festanças. O que vai interferir na redução dos braseiros, efetivamente, será o preço da carne que vai funcionar como uma barreira para evitar que candidato capture o eleitorado pelo estômago.

Legalista

O presidente do Patriota, Ulisses Ramalho, disse que o partido vai ajudar os candidatos a vereador na campanha eleitoral dentro da legalidade. Se o candidato sair fora do que está estabelecido pela legislação eleitoral, diz Ramalho, a responsabilidade será exclusivamente do postulante a uma vaga na Câmara. “Isso foi deixado bem claro, porque se pegar (Justiça) pode ser cassado”, frisou, se referindo as reuniões pré-eleitorais que tiveram o objetivo de orientar os 26 candidatos sobre o que diz a lei… sem braseiro!

É no cash

Um eleitor de uma cidade próxima a Rio Preto, cujo nome a coluna não vai declinar, disse que lá candidato a vereador só conquista cadeira no Legislativo se for na base do cash. O valor de cada voto varia de acordo com a necessidade do eleitor venal. Agora, a partir do momento que o candidato compra o voto, ele não tem nenhum compromisso em defender os interesses da população. A meta é defender seus interesses, primeiro pegar mensalinho para recuperar o ‘investimento’, depois fazer o pé-de-meia e garantir o futuro.

Comitê

A executiva do PCdoB decidiu que será instalado um comitê político para dar suporte ao candidato a prefeito Carlos Alexandre (PCdoB). O local ainda não foi definido, porém, os candidatos a vereador pelo partido vão dar plantão diariamente no comitê, no sistema de rodízio. Como o recurso financeiro é curto para bancar a campanha da sigla, membros da executiva, segundo a assessoria do candidato, também vão buscar adesão de ‘cabos eleitorais’, sem remuneração, a fim de ajudar a propagar informação na rede social.

Cultura

O plenário da Câmara vota sete projetos na sessão de hoje, sendo dois do Executivo e cinco de iniciativas de vereadores. Proposta do governo, que será votada em primeiro turno, abre crédito adicional de R$ 2,8 milhões que será destinado ao Fundo Municipal de Cultura, como determina lei federal. Já proposta da vereadora Karina Carolone (Republicanos), por exemplo, propõe ações preventivas de combate à depressão e também ao suicídio em crianças e adolescentes nas escolas públicas ou privadas. A sessão começa às 17h.

Muito pouco

O presidente do DC, Adilson Feliciano, manteve encontro com José Maria Eymael, presidente nacional da sigla, para buscar recurso financeiro com o intuito de bancar a campanha do candidato a prefeito Rogério Vinicius (DC). Eymael revelou, diz Feliciano, que o último recurso que o partido recebeu do fundo partidário, de R$ 400 mil, foi em fevereiro de 2019. O DC vai receber R$ 4 milhões de uma divisão entre os partidos para bancar a atual campanha, no entanto, a maior parte do recurso será destinada aos candidatos a prefeito que disputam as eleições em cinco capitais. “Para Rio Preto, virá muito pouco, mas ajuda”, concordou. Como motivação, Eymael disse que é para o candidato divulgar as 142 propostas do DC inseridas na Constituição de 1988, que até hoje beneficiam segmentos da sociedade.

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior