Confira ‘Nos Bastidores da Política’ desta quinta-feira (28)

Até o fim

Danila Azevedo (PTC) declarou que não abre mão da sua pré-candidatura na disputa pela Prefeitura. “Não tem nenhuma possibilidade”, frisou. A declaração está relacionada a informação do presidente do DC, Adilson Feliciano, de que está em tratativas com a direção do PTC para firmar aliança, a fim de ampliar o apoio à pré-candidatura de Rogério Vinicius dos Santos, como cabeça de chapa. Danila, de forma enfática, afirmou que a sua pré-candidatura irá até o fim. Aliança, portanto, só se ela for a candidata a prefeita.

Dhoje Interior

Confirma

O presidente do PTC, Carlos Eduardo de Melo, confirmou que fez tratativas com Adilson Feliciano, porém, revelou que tem dialogado com vários dirigentes partidários com o objetivo de chancelar coligação para disputar as eleições majoritárias. “Agora, lá na frente não dá para prever o que vai acontecer”, diz. Afirmou ainda que o PTC não abre mão de ser protagonista no processo, ou seja, como cabeça da chapa. Ao ser questionado sobre as siglas que está negociando uma possível aliança, Carlos de Melo não quis declinar.

Expectativa

Edinho Araújo (MDB) informou que o Departamento Jurídico da Prefeitura está analisando o teor do decreto divulgado pelo governador João Doria (PSDB), ontem, para adaptar as medidas restritivas de combate à pandemia de acordo com a realidade de Rio Preto. O secretário da Saúde, Aldenis Borim, também se reúne hoje, com a direção do Departamento Regional da Saúde, para obter mais informações. “Existe uma grande expectativa para que seja feita a flexibilização a partir de 1º de junho”, declarou o prefeito.

Fake news

Entre os alvos da Polícia Federal para combater as fake news estão o ex-deputado federal Roberto Jefferson; Luciano Hang, dono da Havan; além dos blogueiros Allan dos Santos e Winston Lima, entre outros. Jefferson só contribui com práticas negativas para continuar encostado no poder. Afastado da vida pública por ter participado do mensalão, o ex-parlamentar dá passos firmes em direção ao atual governo. O grupo é aliado do presidente Bolsonaro. O procurador-geral Augusto Aras contesta a decisão do STF. Está explicado…

Marco legal

Rodrigo Maia (DEM) defendeu que as plataformas digitais sejam responsabilizadas por veicular as chamadas fake News ou notícias falsas. O presidente da Câmara diz que é preciso construir um marco legal que impeça o abuso tecnológico, os ataques à honra das pessoas e as ameaças às instituições. Para ele, responsabilizar as plataformas não reduz a liberdade de imprensa ou de expressão. “A plataforma tem responsabilidade e sabe quando é um robô”, diz. Quando um robô é usado pode mudar o resultado de uma eleição.

Rigidez

Marco Rillo (Psol), que defende o isolamento social, se posicionou a favor da flexibilização das medidas restritivas para retomar as atividades comerciais. “A situação está difícil para os comerciantes, agora, tem de ser rígido”, alerta, se referindo as medidas de segurança. Se não seguir as normas ditadas pelos especialistas da saúde, o vereador teme que vai aumentar o número de mortes. “Não pode brincar, porque o vírus é altamente contagioso”, diz. Para dar certo, portanto, cada um tem de fazer a sua parte.

Negacionista

O governador João Doria (PSDB) informou que vai flexibilizar a reabertura das atividades comerciais a partir de 1° de junho. “Será uma retomada consciente, com base em dados técnicos e na ciência”, diz. As medidas restritivas, no combate ao coronavírus, serão regionalizadas de acordo com a realidade de cada cidade. Como Doria e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não falam a mesma língua, quando pode, cutuca o oponente: “Nada de achismo”.  Bolsonaro é negacionista, não reconhece a letalidade da covid-19.

Sob controle

Enquanto o governador anuncia que irá regionalizar a flexibilização das medidas restritivas, o coronavírus está sob controle em Rio Preto, segundo informou o assessor especial da Secretaria da Saúde, André Baitello. Os dados revelam que até ontem 20 pessoas morreram por ter contraído a covid-19, 84 estão internadas e 250 foram curadas. A orientação, no entanto, é para continuar com o isolamento social, lavar as mãos, manter o distanciamento e o uso de máscaras. “A estabilização é um dado importante”, concluiu.

Por Venâncio de MELLO