Confira ‘Nos Bastidores da Política’ desta quarta-feira (23)

Alerta

Depois de ficar afastado de suas atividades cumprindo quarentena em casa por ter contraído a covid-19, o presidente da Câmara, Paulo Pauléra (PP), voltou a comandar a sessão promovida ontem. “Eu estou bem”, disse. Já o vereador Celso Peixão (MDB, foto) continua em quarentena na sua casa. Apesar de ter apresentado sintomas levas, Peixão disse que está contando nos dedos os dias que faltam para retomar suas atividades. “Eu não desejo isso para ninguém”, desabafou. Segundo ele, às vezes, o medo da doença evoluir para uma situação mais grave, que requer internação, cria-se um quadro de ansiedade difícil de suportar. “Segunda-feira quero voltar para a rua”, avisou. Que o exemplo sirva de alerta aos negacionistas que não acreditam na gravidade da doença!

Dhoje Interior

Acanhado

O próximo processo eleitoral poderá ser o mais acanhado desde que foram criados os debates pelas emissoras de televisões. Motivo: a TV Tem, líder em audiência na região, anunciou ontem que não vai promover debate no primeiro turno. Ao ver a notícia, um eleitor comentou que tudo caminha para a população ter as eleições mais chatas da história. Pode?! A pandemia já impôs limite por causa do distanciamento social, por exemplo, comício nem pensar. Agora, tudo depende da boa vontade das emissoras Record e da Band.

Repúdio

O plenário aprovou moção de repúdio do vereador Anderson Branco (PL) na sessão de ontem, que contesta ação da militância da esquerda que publicou vídeo na rede social da imagem da cabeça do presidente Jair Bolsonaro. “Como vereador bolsonarista, eu repúdio esse absurdo e essa falta de respeito da esquerda ao capitão”, rechaçou. “Imagine se fosse a cabeça do Lula?”, perguntou. O vídeo, segundo ele, mostra crianças jogando bola com a imagem da cabeça do Bolsonaro. “A esquerda é intolerante e eu repúdio”, acrescentou.

Desaprova

Paulo Bassan (PRTB) declarou que se eleito prefeito vai reduzir de forma significativa o número de cargos em comissão. São 303 funcionários contratados sem concurso que atuam na Prefeitura, Emurb e Semae. Bassan diz que o excesso de cargos comissionados não é bom para o município. “Os desnecessários sairão”, avisou. Ele também desaprova os apadrinhados que atuam no governo federal, cerca de 23 mil. “A mesma coisa”, enfatizou. O presidente Jair Bolsonaro prometeu reduzir para três mil, só que até agora, nada!

Animado

Oscarzinho Pimentel (PL) profetiza que tem boa chance de obter uma cadeira na Câmara nas próximas eleições. Segundo ele, a chapa de candidatos a vereador pelo PL é boa, portanto, acredita que poderá eleger até três vereadores. Além do presidente do partido, Fábio Marcondes, o vereador Anderson Branco também vai disputar a reeleição. Marcondes sempre foi bem-votado e se a votação se repetir, Oscarzinho disputará a segunda vaga com o vereador Branco. “A expectativa é muito boa”, disse o ex-vereador. A conferir!

Extremismo

Representantes da direita e da esquerda são como água e óleo, porém, tentam tirar proveito político da pandemia provocada pelo coronavírus. Lógico, cada segmento à sua maneira, o importante é explorar a desgraça alheia para ganhar dividendos políticos no futuro.  O eleitorado rio-pretense sempre foi avesso ao extremismo, não importa se é de direita ou da esquerda. Então, o candidato a prefeito ou a vereador que seguir uma dessas tendências ideológicas, pode ficar ciente que a derrota nas urnas será avassaladora.

Ajuste fiscal

O deputado estadual Itamar Borges (MDB) visitou a Braile Biomédica e prometeu que vai atuar na Assembleia com o objetivo de manter a isenção de ICMS às empresas que fabricam equipamentos para a área médica. “A Braile Biomédica é um dos orgulhos da indústria médica do país”, elogiou o parlamentar. A empresa é referência em pesquisa e na fabricação de equipamentos utilizados em cirurgias cardiovasculares. Os produtos são exportados para 50 países. A presidente da empresa, Patrícia Braile, recepcionou o deputado.

Discurso pobre

O discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) feito ontem, no sistema remoto, na abertura dos debates dos líderes mundiais na ONU, vai entrar para a história como o mais pobre que um representante brasileiro fez até hoje. Sobre as queimadas, disse que o Brasil é vítima de uma campanha sem limite de desinformação envolvendo a Amazônia e o Pantanal, inclusive, empurrou a responsabilidade da destruição aos índios e caboclos. Tudo errado! Foi no seu governo que começou o desmonte do Ibama, como forma de permitir que madeireiros, grileiros e garimpeiros avançassem na selva, com ganância para enricar, extraindo os recursos naturais. Mais: disse que o país tem a melhor legislação de proteção ao meio ambiente. Se tinha, o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) revogou com a passagem da boiada…

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior