Confira na coluna ‘Nos Bastidores da Política’: Com desistência de Eleuses Paiva, Bolçone pode ser vice de Edinho

Foto Guilherme Batista

Desiste 

Como dizia o saudoso Ulisses Guimarães, política é como nuvem, cada momento muda a sua forma. O vice-prefeito Eleuses Paiva (PSD) (foto) anunciou que não vai disputar a reeleição na chapa a ser encabeçada pelo prefeito Edinho Araújo (MDB). O anúncio da desistência aconteceu, ontem, em reunião reservada com o prefeito. A decisão do vice pegou o prefeito desprevenido, que dava como certa a sua parceria nas eleições. Para o prefeito, portanto, foi um acidente de percurso. Agora, Edinho tem de correr atrás de outro nome.

Dhoje Interior

Bolçone

Com a desistência de Eleuses, Orlando Bolçone (DEM) passa a ser o principal nome para compor a chapa como pré-candidato a vice do prefeito Edinho Araújo (MDB), que vai disputar a reeleição. O ex-deputado se filiou recentemente no DEM, partido do vice-governador Rodrigo Garcia. Assim que Eleuses confirmou que não pretende concorrer nas próximas eleições, Rodrigo Garcia e o presidente nacional do PSD, ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, entraram em ação, ontem à noite, para iniciar as tratativas com o MDB. 

Integrou

Orlando Bolçone integrou a equipe de governo de Edinho Araújo, na época no PPS, como secretário do Planejamento. No processo eleitoral em 2008, Bolçone disputou as eleições para prefeito com o apoio de Edinho, no entanto, ficou em terceiro lugar, atrás de Valdomiro Lopes (PSB) e de João Paulo Rillo, à época no PT. Valdomiro derrotou João Paulo no segundo turno. Depois, Bolçone foi eleito deputado pelo partido de Valdomiro. Agora, Edinho e Bolçone podem voltar a atuar juntos, como prefeito e vice. A conferir… 

Avançando

As obras de restauração do prédio do Mercadão continuam avançando, sob a chancela do secretário de Agricultura, Pedro Pezzuto. O secretário tem dito que está eufórico por estar contribuindo com a recuperação do patrimônio histórico do município. Os permissionários de bancas estão atendendo ao público de forma improvisada, principalmente respeitando medidas restritivas por causa da pandemia novo coronavírus. Quando as obras forem concluídas, o Mercadão, além do ambiente climatizado, ficará com um novo aspecto.

Plano 

O plano de governo a ser apresentado por Edinho Araújo (MDB) na disputa pela reeleição, não prevê a construção da nova rodoviária para receber ônibus intermunicipais. No seu primeiro governo, entre 2001 a 2008, Edinho se empenhou para erguer o empreendimento, no sistema de concessão para a iniciativa privada, por 30 anos. A área no quilômetro 444, às margens da rodovia Washington Luís, quase foi emplacada, porém, não houve acordo com os vereadores, que defenderam concessão por 20 anos. A proposta foi arquivada.

Urgente 

O presidente da Câmara, Paulo Pauléra (PP), declarou que já passou da hora de construir a nova rodoviária para receber ônibus de longa distância. Lembrou das áreas que foram aventadas para receber o empreendimento, por exemplo, quilômetro 444, Jardim São Marcos e de uma área na confluência das rodovias BR-153 com a Assis Chateaubriand. Com a construção do anel viário na Zona Norte, Pauléra diz que a situação da rodoviária tem de ser resolvida com urgência. “Agora, ônibus de curta distância fica no Centro”, diz.   

Bang-bang

Os deputados começaram a debater, ontem, o projeto das fake news iniciado no Senado para se chegar a um texto que garanta a liberdade dos cidadãos, mas que possibilite a punição dos que usam as ferramentas de forma indevida, diz o presidente Rodrigo Maia (RJ). Ele espera que a Câmara possa construir um texto melhor do que o aprovado no Senado. A deputada Joice Hosselmann (PSL-SP) disse que é preciso ter regras neste bang-bang que virou a internet: “Existem verdadeiras redes montadas para destruir reputações”. 

Balança 

É inegável que o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) é responsável, com o aval do presidente Jair Bolsonaro, pela devastação da selva amazônica. Agora, o galho que ele segura está balançando e a queda é questão de tempo. Em 2018, o então candidato Bolsonaro disse que o Ibama aplicava multas desnecessárias, impedindo o desenvolvimento do país. Sinalizou que seria conivente com ações nefastas contra o meio ambiente. Não deu outra! Colocou Salles para cumprir o seu plano. Ainda bem que os investidores mandam…

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior