Confira a coluna ‘Nos Bastidores da Política’ deste domingo (12)

Sem troca

 No passado, era comum dirigentes partidários exigirem cargos para apoiar determinado candidato a prefeito na campanha eleitoral. Pedro Nímer, como presidente do MDB, disse que tem feito tratativas com representantes de outras siglas, porém, ressaltou que cargos não entram nas negociações. “Como presidente do partido, garanto que não oferece cargos, é republicano e não tem troca de moeda”, frisou. O prefeito Edinho Araújo (MDB)(foto), se as eleições municipais fossem hoje, contaria com o apoio do PSD e do Patriota. 

Dhoje Interior

Isenção 

O presidente da Câmara, Paulo Pauléra (PP), informou que vai enviar um ofício ao governador João Dória (PSDB) sugerindo para o estado conceder isenção de imposto para os mototaxistas comprarem motos novas. Pauléra lembrou que o estado concede benefício atualmente apenas para motoristas de taxi. “Eu vou pedir para o governador Dória estender esse benefício aos mototaxistas”, frisou. O estado de Mato Grosso do Sul já concede isenção de 17% do ICMS aos mototaxistas, que podem adquirir motos novas a cada dois anos. 

CPI

Marco Rillo (PSOL) informou que está trabalhando na CPI das Calçadas com intuito de apurar se as empresas terceirizadas cometeram ilícitos ao fazer reparos em pontos estratégicos do calçamento da cidade. Até agora disse que só tomou depoimento de três testemunhas. “A pandemia atrapalha”, diz. O vereador disse que o sistema de contratação adotada pela Prefeitura facilita o direcionamento de obras para determinada empresa. “Não tem padrão para fazer licitação e isso pode facilitar a escolha de empresas”, alerta. 

Cassar 

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) ainda não veio a Rio Preto para buscar o título de cidadão honorário rio-pretense concedido por Anderson Branco (PL), chancelado pelo plenário da Câmara. Antes, Branco havia concedido o título para Jair Bolsonaro (sem partido), porém, o presidente disse que não poderia vir a Rio Preto para receber a homenagem. O vereador decidiu agraciar o filho do presidente, que também demonstra não estar interessado. Como Eduardo anda envolvido com malfeito, o título deveria ser cassado.  

Atrás de vices 

Treze pré-candidatos pretendem disputar o cargo de prefeito de Rio Preto. A briga agora é encontrar nomes de vices competitivos com potencial para conquistar votos nas eleições. Edinho Araújo (MDB) continua com o atual vice Eleuses Paiva (PSD), portanto, está tranquilo, esperando a campanha eleitoral para apresentar o novo projeto de governo.  Algumas siglas vão lançar chapa pura, cabeça de chapa e vice do mesmo partido. É o caso do PRTB e do PSL, dos pré-candidatos Paulo Bassan e Marco Casale, respectivamente.

Coligar 

As pequenas siglas deveriam formar alianças para reforçar as candidaturas nas eleições para prefeito. Até tem tratativas com esse objetivo, porém, ninguém abre mão da cabeça de chapa, sonho de disputar as eleições para prefeito. Se ninguém ceder, o desempenho nas urnas poderá ser um desastre. Essa possibilidade é real. Agora, será que candidato próprio a prefeito vai contribuir para alavancar a chapa de candidatos a vereador pelo partido? Pode acontecer de candidato vereador ter mais votos que o de prefeito.

Forças ocultas 

Os vereadores votam projeto do Executivo que cria a taxa de embarque de passageiros na rodoviária, administrada pela Emurb, na sessão da próxima terça-feira. Em governos passados, foram apresentadas propostas para construir a nova rodoviária de Rio Preto, no sistema de concessão, por 30 anos. A área do quilômetro 444, às margens da rodovia Washington Luís, quase foi emplacada para erguer o empreendimento. Forças ocultas, porém, não permitiram que o projeto avançasse. A atual rodoviária está totalmente inadequada. 

Indenização

Deputados deverão votar terça-feira emendas do Senado ao projeto que concede indenização aos profissionais de saúde incapacitados pela Covid-19. Segundo a proposta dos deputados Reginaldo Lopes (PT-MG) e Fernanda Melchionna (Psol-RS), os profissionais e trabalhadores de saúde que atuam na linha de frente do combate à doença receberão da União compensação financeira de R$ 50 mil, se ficarem incapacitados devido à doença. Os dependentes também recebem se o profissional morrer. A Câmara já aprovou a proposta.  

Por Venâncio de MELLO – Redação Jornal DHoje Interior