Confira a coluna ‘Nos Bastidores da Política’ desta sexta-feira (31)

Pipocando

Fazendo uma análise do atual quadro da política local, Jair Moretti (foto), da Executiva do MDB, diz que tem pré-candidatura para prefeito pipocando: aparece e desaparece. “A pandemia está deixando todo mundo doido”, pondera. Moretti prevê que, quando chegar as convenções, o número de postulantes deverá cair, como já profetizaram Marco Rillo (PSOL) e Carlos Arnaldo (PDT). Moretti diz, no entanto, que algumas candidaturas podem até cumprir tabela por exigência do comando nacional dos partidos. Afinal, tudo que vem de cima tem de obedecer, mesmo se for para dar com os burros n’água.

Dhoje Interior

Blocos

Sobre a saída do MDB, DEM, PTB e PROS do centrão que controla a Câmara, o emedebista Jair Moretti diz que esses partidos vão criar novos blocos para poder negociar, por exemplo, nome para ser o novo presidente da Câmara e já pensando nas eleições de 2022, para presidente e governadores. A aproximação de Jair Bolsonaro (sem partido) do centrão, diz ele, tem influenciado a saída das siglas, já que deputado Arthur Lira (PP-AL), amigo de Bolsonaro, quer ser presidente da Câmara. “Isso desagrega o centrão”, analisa.

Manobras

O presidente do Patriota, Ulisses Ramalho, informou que o partido não integra o grupo de partidos que forma o centrão. “O Patriota não é do centrão, mas não quer dizer que votamos contra o governo”, esclarece. Segundo ele, quando a proposta do Executivo for boa para o Brasil, a bancada do partido vota favorável. A declaração do presidente Ramalho, portanto, revela que o Patriota não quer amarrar com as manobras do centrão que, na realidade, é um grupo que o governo de plantão aluga para encobrir os malfeitos.

Só oxigênio

Carlão do JC (DEM) continua internado no Hospital Austa para receber tratamento contra a Covid-19. Cláudia Perpetua Maurício, mulher do ex-vereador, informou que ele estava cumprindo quarentena em casa, no entanto, no último domingo o quadro se agravou ao atingir o sistema respiratório. Ela informou ainda que anos atrás ele extraiu um rim por causa de um câncer. Em função da comorbidade, o quadro se agravou e o ex-vereador teve que ser internado. “Está na UTI, mas não entubado, só recebe oxigênio”, esclareceu.

Sem abraço

Edinho Araújo (MDB) comemorou aniversário ontem, sem abraço e aperto de mão. Afinal, o prefeito sabe que comemorar 71 anos em plena pandemia todo cuidado é pouco para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Apesar disso, recebeu inúmeras felicitações pelas redes sociais, por exemplo, de Elias Kassis que o qualificou como sendo o “melhor prefeito de Rio Preto de todos os tempos”. Como Edinho é político nato, um presente e tanto. Para evitar aglomerações, o bolo e os parabéns ficaram restritos à família.

Juntos

Sobre uma possível aliança com o PSL, o pré-candidato a prefeito Renato Pupo (PSDB) revelou que tem até vídeo gravado com o presidente Marco Casale declarando apoio à sua candidatura. “Para mim, ele (Casale) disse que estamos juntos”, diz. Pupo frisa ainda que só vai acreditar que o acordo foi desfeito quando Marco Casale disser que o combinado foi desfeito. “(Por isso) continuo acreditando no que foi conversado”, pontuou. A incógnita, portanto, só vai acabar quando o acordo for ou não chancelado nas convenções.

Achatamento

Se o governo municipal não tivesse aumentando o número de leitos para proporcionar melhor estrutura para tratar pacientes com Covid-19, Rio Preto já teria regredido para a fase vermelha, que só permite o funcionamento de atividades essenciais. Hoje, o governador João Dória (PSDB) divulga alterações que serão adotadas nas regiões do estado. Talvez parte da população, que tanto reclama com as medidas restritivas, é a que menos contribui para que ocorra o achatamento da curva de contaminação. Falta consciência…

Legado  

A Confederação Nacional da Indústria promoveu debate ontem sobre a reforma tributária. O relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP), e especialistas defenderam a unificação e a simplificação dos impostos de bens e serviços. Para eles, o sistema tributário atual possui distorções, dificulta o investimento e gera insegurança jurídica no país. As distorções foram criadas pelos governantes com o aval do Congresso. Fizeram tantas amarrações para sugar o contribuinte, que inviabilizam as atividades econômicas. É o legado que vem de Brasília!

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior