Conexão Capivara: Zerando o governo

FOTO-GUILHERME-BATISTA

Muito utilizada nos memes da internet, a expressão “zerar a vida” significa a conquista de algo muito importante ou praticamente irrealizável. Pois nesta sexta-feira (29) dá para dizer que o prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), zerou o governo.

Finalmente foi assinado na tarde de ontem financiamento de R$ 203,7 milhões que o prefeito pleiteava desde o ano passado junto à Caixa Econômica Federal para obras de infraestrutura e recapeamento da cidade. O dinheiro é visto como uma espécie de tábua de salvação do governo, que tem amargado desde o ano passado recorrentes quedas na receita devido à crise econômica do País.

O pedido do empréstimo, que será pago em dez anos, foi solicitado ainda em 2017, após aprovação tumultuada na Câmara de Rio Preto. Em janeiro de 2018, a assinatura de novos financiamentos com a Caixa Econômica Federal – na ordem de R$ 19 bilhões – foi congelada para todos os municípios do Brasil, devido a suspeitas de corrupção que levaram ao afastamento de quatro dos 12 vice-presidentes do banco estatal. Havia a possibilidade de que os financiamentos não saíssem mas neste ano. Mas, sabe como é? Ano eleitoral…
Como não poderia deixar de ser, a cerimônia nesta sexta, que contou com a participação do superintendente da Caixa Econômica Federal, Fernando Passos, foi um oba-oba só.

Todos os vereadores presentes tiveram a chance de falar: Jean Charles (MDB), Renato Pupo (PSD), Paulo Pauléra (PP), Márcia Caldas (PPS), Fábio Marcondes (PR) e até Jorge Menezes (PTB), que vira-e-mexe está às turras com o governo. O contrato assinado ontem é a maior operação da Caixa com municípios, e a segunda se contar também os Estados.

O dinheiro será liberado pela Caixa ao longo de três anos. Ficou definido assim: em 2018, serão destinados R$ 51,9 milhões e a prioridade, de acordo com o prefeito, é o recapeamento – sobretudo nas avenidas, marginais e ruas de grande movimento que ligam os bairros. Dentro deste valor estão incluídos R$ 1,9 milhão para o Plano Municipal da Mata Atlântica. Em 2019, mais R$ 1 milhão para a Mata Atlântica e R$ 100 milhões para obras de infraestrutura urbana, galerias pluviais, drenagens e canalizações, pavimentação e recapeamento, construção de viadutos e pontos, construção em áreas públicas e elaboração de projetos. Em 2020, R$ 850 mil para a Mata Atlântica e R$ 50 milhões para todo o resto.

Edinho aproveitou a cerimônia para fazer uma espécie de desabafo para desentalar as críticas que tem recebido desde que assumiu a Prefeitura. Disse que, com o financiamento, “a cidade vai vier mais intensamente nos próximos anos”. “O que eu posso dizer é que nós arrumamos a casa. Coloquei o meu estilo em 18 meses. Nós só vamos ter essas obras de visibilidade, porque eu trabalhei muito nestes 18 meses. Não vão ser anos melhores, é porque eu trabalhei muito”, afirmou Edinho

Maldosos poderiam dizer que, além de zerar o governo, Edinho também vai zerar o caixa da Prefeitura – uma vez que os R$ 203,7 milhões terão de ser devolvidos centavo por centavo, com juros e correção ao longo de dez anos com taxa de 5,31% ao ano. Mas a verdade é que, na atual conjuntura econômica, essa foi a saída encontrada pela equipe técnica do governo para buscar recursos e cuidar da cidade. Que esse dinheiro todo seja, então, bem empregado. E que seja um novo divisor de águas para o governo Edinho Araújo, que desde janeiro de 2017 carecia de grandes anúncios para os rio-pretenses.

Clique aqui e confira na íntegra a coluna deste sábado (30)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS