Conexão Capivara: Piadas irritam ala mais tradicional da Acirp

O escândalo da Área Azul Digital, que virou um pesadelo dentro do governo Edinho Araújo (PMDB) com grandes e pequenas novas crises surgindo o tempo todo, já se transformou também num desconforto público dentro da Acirp, impondo ao presidente Paulo Sader sua conhecida diplomacia para tentar conter ânimos de grupos conhecidamente adversários entre si.

O pivô, no caso, é Liszt Abdala, que além de fazer parte do corpo diretivo da Acirp foi o indicado pela mesma para o comando da Secretária de Desenvolvimento Econômico do município. A tensão interna ocorre em função das denúncias de irregularidades na licitação promovida pela Emurb, da qual participaram empresas da mulher e da irmã de Liszt.

De um lado, o secretário ganha respaldo da chamada ala política da associação, que tem Maurício Beloddi e o próprio Liszt como representantes mais fortes. Ambos são filiados ao PV. Do outro, os empresários mais tradicionais, alguns apartidários, outros nem tanto, mas que insistem em manter o nome da Acirp distante das encrencas em curso.
Paulo Sader já havia declarado que aguardava as investigações instaladas e a decisão do prefeito para tomar qualquer posicionamento definitivo. Com isso, esperava também manter a situação em banho-maria até o dia 22 deste mês, quando termina o recesso e retornam as reuniões semanais do conselho.

Os abalos internos, no entanto, ficaram mais tensos nos últimos dois dias, com o surgimento em redes sociais de piadas de toda natureza envolvendo o secretário, que afirmou desconhecer que sua mulher e irmã participaram da licitação. E aí, a reação caminhou em duas direções novamente. Parte da diretoria usou o grupo de Whatsapp que reúne todos os diretores para se solidarizar com Liszt. Outro grupo partiu para uma pressão maior junto ao presidente diretamente se dizendo incomodado com o fato de a instituição ter virado piada e exigindo uma ação mais efetiva. Sader segue tentando contornar. “Essas piadas chegaram a diretores, sim, e começaram a incomodar. O que estamos fazendo é aguardando, dando tempo para ele (Liszt) responder aos questionamentos, se defender. Não podemos fazer um prejulgamento. Ele vai ter o devido momento também para se explicar aqui dentro”, afirmou. Sader disse que não tem intenção, agora, de adiantar uma reunião extraordinária do conselho para tratar do assunto. Resta saber se, ou até quando, vai conseguir segurar a bronca.

Clique aqui e confira na íntegra a coluna desta quinta-feira (11)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS