Conexão Capivara: Operação-abafa

Está em curso uma verdadeira operação-abafa para manter a cabeça de Vânia Pelegrini na presidência da Empresa Municipal de Urbanismo (Emurb) de Rio Preto. Ontem, em coletiva à imprensa, Vânia já apontou os possíveis culpados da falha que permitiu a contratação irregular da empresa Innovare, que tinha como sócia uma funcionária comissionada da própria Emurb. A bomba caiu no colo dos quatro servidores concursados que fazem parte da comissão de licitações da empresa: eles serão alvo de processo administrativo aberto hoje por determinação de Vânia. E estão com seus cargos ameaçados.

Também foi publicada hoje a exoneração da ex-funcionária comissionada da Emurb Roberta Nunes Ferreira Costa, que era sócia da Innovare ao lado do marido Wagner Rodolfo Costa. A Innovare venceu licitação por R$ 80 mil para desenvolver a Área Azul digital, que deveria entrar em funcionamento no último dia 2, mas se tornou um verdadeiro mico tecnológico. A Lei de Licitações impede que servidores – sejam eles de carreiras ou comissionados – participem de licitações no poder público, justamente para evitar favorecimentos.

Além da Innovare, contratada para desenvolver a Área Azul digital, outra empresa que possui a participação de Roberta – a WRC Informática – possui contrato de R$ 16 mil para manutenção de equipamentos de informática. A prestação de serviços foi acertada em novembro de 2016.

A presidente da Emurb foi dúbia ao comentar ontem (4) se tinha conhecimento do parentesco entre Roberta e Wagner – especialmente porque Wagner era presença constante na empresa de urbanismo. Disse no início não sabia que eram casados e que depois tomou conhecimento. Mas afirmou também que desconhecia a sociedade dos dois na Innovare e na WRC.

Na Câmara, as reações foram variadas. Vânia foi convidada a dar explicações aos vereadores hoje às 10 horas no auditório do Legislativo. Presidente da CEV da Área Azul Digital, Celso Peixão (PSB) foi comedido ao comentar o caso e disse que vai aguardar o depoimento da presidente da Emurb antes de se manifestar. Já Paulo Pauléra (PP) foi o mais enfático dos vereadores: afirmou com todas as letras que ela não tem a mínima condição de permanecer no cargo. “Se ela não sabia de nada, mostra que não serve para gerenciar. Se sabia é pior ainda, porque foi negligente”, enfatizou Pauléra.

Chama a atenção nesta operação-abafa o posicionamento dos chefes do Legislativo e do Executivo. O primeiro pela eloquência e o segundo pelo silêncio. Ontem logo pela manhã, após o escândalo estourar, o presidente da Câmara, Jean Charles (PMDB), furou o recesso parlamentar e prontamente enviou um convite a Vânia para que ela se explicasse aos vereadores. Inclusive mobilizou toda a equipe da TV Câmara para que a audiência de hoje seja transmitida ao vivo – algo que não ocorre nem mesmo em depoimentos de CPIs. Mais que isso, enviou um convite a todos os vereadores solicitando presença “para ouvir e tirar as dúvidas que por ventura forem necessárias”.
Já Edinho Araújo (PMDB), chefe de Vânia, optou pelo silêncio. Por meio da sua assessoria, afirmou que não comentaria o caso e que a presidente da Emurb havia sido escalada “para dar as explicações necessárias”.

A intenção clara de Edinho é segurar Vânia no cargo. Mas nem sempre os desejos de Ano Novo são atendidos assim num passe de mágica. Que o diga o fiasco completo e irrestrito da Área Azul digital.

Clique aqui e confira na íntegra a coluna desta sexta-feira (05)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS