Conexão Capivara: O Trem e a UPA

Foto: Romildo Sant'Anna

Tem sido alvo de questionamento constante nas ruas, nas redes sociais e até na Câmara o empenho da Prefeitura de Rio Preto em colocar o Trem Caipira nos trilhos, no momento em que o município vende o almoço para pagar o jantar. Os cortes no orçamento são sentidos desde o início do ano e se agravaram no segundo semestre, com a dispensa de 500 anjos da guarda – que cuidavam da segurança nas escolas municipais – e o anúncio do fechamento da UPA Santo Antônio durante a madrugada a partir de fevereiro de 2018.

Ontem, em entrevista à rádio CBN, o prefeito Edinho Araújo (PMDB) lançou mão do velho provérbio “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa” para se justificar. Afirmou que o lendário Trem Caipira tem recursos do Ministério do Turismo. “Fui eu que botei esse trem nos trilhos, no dia 28 de dezembro de 2008. Fiquei por oito anos afastado da Prefeitura, voltei e disse que neste ano iria colocar o trem nos trilhos”. E, claro, aproveitou para dar aquela espetada básica no ex-prefeito Valdomiro Lopes (PSB). “Uma administração se segue à outra, mas as políticas públicas têm de permanecer. Eu sou prefeito pela terceira vez, já fui prefeito de Santa Fé lá atrás e sempre dei sequência às obras dos meus antecessores. Porque o que está em jogo é o dinheiro público”, afirmou o prefeito.

Dhoje Interior

Sobre o fechamento da UPA Santo Antônio, Edinho disse que é uma questão administrativa. “A população não vai sofrer. O atendimento será feito de outra forma, transportando o paciente, e por um custo muito menor. Isso é gestão pública”, afirmou. “A suspensão foi tirada de uma reunião entre o conselho municipal de saúde e o conselho local. Nós vamos procurar melhorar o atendimento em todas as unidades, especialmente no Santo Antônio”.

O prefeito pode gastar sua retórica e utilizar argumentos técnicos, mas é fato que o renascimento do Trem Caipira veio em um mau momento para administração. Por mais que o governo alegue que a maior parte do dinheiro tenha vindo da União, é fato que o município também investiu muito dinheiro e terá de investir para que o projeto seja mantido. E isso em um período em que o município opta por expor a segurança das escolas e suspender o atendimento em uma UPA com o objetivo de economizar recursos. Não deixa de ser irônico: cumprir agora uma promessa feita há nove anos está contribuindo para solapar a popularidade do prefeito.

O funcionamento do trem e o fechamento da UPA são sim, como assinalou Edinho, questões administrativas e de gestão pública. Porém, diante do quadro de penúria do município, faltou incluir nesta receita a sensibilidade política.

Clique aqui e confira na íntegra a coluna desta quarta-feira (13)