Conexão Capivara: ‘Eu sou o protagonista da minha campanha’

Foto Guilherme Batista

Edinho Filho (MDB), que abre série de entrevistas com todos os 11 candidatos a deputado estadual por Rio Preto, diz que não teme o risco de virar coadjuvante do pai, o prefeito Edinho Araújo (MDB), dentro de sua própria campanha.

Também busca reforçar a marca de que representa o novo, ainda que integrante de um partido que é a cara de tudo o que está aí em termos de política.

O candidato se diz liberal (ou progressista) em termos de comportamentos individuais, defende a reforma da previdência e diz que a população não pode radicalizar com a “extrema esquerda ou a extrema direita”.

Confira abaixo principais pontos da sabatina.

O senhor tem o seu pai, o prefeito Edinho Araújo, como o principal cabo eleitoral. Até que ponto isso pode torná-lo um figurante na sua própria campanha?
Edinho – Eu sou protagonista da minha campanha. Sou candidato por iniciativa minha. Eu não sou candidato de ninguém. Eu sou o candidato Edinho Filho que tem personalidade. É claro que isso eu vou ter que demonstrar ao longo da minha carreira pública que está se iniciando agora. Mas eu realmente conto com a grande força do prefeito Edinho Araújo, porque dificilmente eu não teria o poio do meu pai. Eu tenho que mostrar para as pessoas que tenho minhas propostas, minha personalidade.

O senhor se diz renovação, mas como ser novo dentro de um partido, o MDB, que representa tudo que está aí na política?
Edinho – Eu sou novo por estar iniciando a minha carreira pública agora. Não tem como eu fugir da novidade. É claro que eu tenho um histórico familiar. Meu pai já está há mais de 40 anos na vida pública. Atua servindo a população, a comunidade, em especial a região de Rio Preto. Eu acho que não tem nenhum partido que não tenha envolvimento em corrupção. E tem gente boa em todos os âmbitos da sociedade e o partido é parte da sociedade. Sendo assim, haverá corruptos em todos os partidos. É claro que alguns, por serem novos, não têm registro de corrupção. Não tem um histórico político de administração pública. Não havendo isso, não tem processos envolvendo.

Henrique Meirelles, presidenciável do MDB, atrela a imagem dele à do ex-presidente Lula, de quem foi ministro. E sequer cita Temer (MDB) na sua campanha. Como é ter o fardo de ser um candidato ligado a um presidente com rejeição histórica?
Edinho – Eu sou candidato do Movimento Democrático Brasileiro. É um partido que redemocratizou nosso País vindo do militarismo. Então, como eu disse anteriormente, não existe um partido que não tenha problema. E o Temer não escolheu ser um Presidente. Foi levado pela conjuntura.

O senhor acha que ele é um bom presidente?
Edinho – Eu acho que ele foi o presidente das reformas. Acho que se o Congresso tivesse colaborado um pouco mais com ele para ter feito as grandes reformas que o Brasil precisava nesses dois anos, ele teria sido melhor.

O senhor acha que a Reforma da Previdência tinha que ter saído?
Edinho – Eu penso que sim. Eu defendo a Reforma da Previdência, como defendia a Reforma Trabalhista e defendo uma Reforma Fiscal. Temos que reajustar o pacto federativo. São grandes temas que eu penso que o próximo presidente da República terá que enfrentar.

Em quem o Edinho Filho não votaria de jeito nenhum para Presidente da República e por quê?
Edinho – Vixi, aí você me pegou. Eu acho que as pessoas costumam dizer que temos poucas opções. Desses 13 aí eu acho que não tem nenhum em quem eu não votaria. Mas eu tenho um candidato só em quem eu voto.

Quanto o senhor pretende gastar para tentar se eleger e onde vai buscar o dinheiro?
Edinho – Parte virá do fundo eleitoral. Eu não tenho valor exato ainda, mas estou trabalhando junto com o partido o repasse pra mim. E parte de colaboradores. Amigos que realmente veem em mim uma liderança política. Eu arrecadei cerca de R$90 mil até agora. Eu creio que uma campanha de R$ 400 mil seja uma campanha boa.

Porque o senhor não começou como vereador? (pergunta do internauta Wilson Rodrigues)
Edinho – Realmente eu poderia ter iniciado a minha carreira política aí. Em 2016 eu tive a oportunidade mas eu acho que ficaria desleal com os outros candidatos a vereador. E não poderia ter o apoio irrestrito ali do meu pai, que era candidato a prefeito. E ele precisava dos cabos eleitorais dele e dos vereadores.

O senhor se considera liberal ou conservador em termos de comportamento individual?
Edinho – liberal.

Então, vamos para um rápido bate bola:
1) É a favor da união homoafetiva?
Edinho: Sou a favor da diversidade
2) É a favor da liberação do uso da maconha?
Edinho – Precisa ser estudar. Se realmente acabar com o tráfico, sou a favor
3) – É a favor do aborto?
Edinho – Temos que discutir
4) – É a favor do ensino religioso obrigatório nas escolas?
Edinho – Eu acho que a gente tem que ter uma relação cristã, mas eu não gosto de nada que é obrigatório. Mas, podemos dizer que talvez sim.
5) É a favor da Liberação do uso de armas para o cidadão comum?
Edinho – Sou contra.

Sobre emendas parlamentares. O senhor acredita que isso diminui o trabalho do Legislativo e vira um grande balcão de negócios?
Edinho – Eu acho que essa forma politizada deveria ser alterada. Mas eu concordo também que a competência do deputado estadual deve ser ampliada. É claro que isso depende de um reforma na Constituição, mas isso a gente tem que trabalhar com os deputados federais pra trazer um pouco mais de competência para o estadual poder legislar sobre matérias que são restritas à união e ao município.

Por que o senhor acha que merece um voto de confiança?
Edinho – Porque eu acredito no País, eu acredito na boa política, eu acredito e quero fazer parte da nova política. A política é um instrumento de fazer coisas boas para a comunidade e eu quero chamar que a população se envolva com a política e não se radicalize com uma extrema esquerda ou uma extrema direita. Mas que ela use a política como um instrumento da democracia.

Edinho Filho, eu sou o novo e capacitado. Você está entrando para a política por sua própria vontade e capacidade, ou porque foi escolhido para dar continuidade à velha política? (Pergunta de Marco Casale, candidato a deputado estadual pelo PSL a Edinho Filho) Edinho – Queria agradecer realmente a oportunidade para reafirmar. Sou realmente candidato pela minha própria personalidade, pelas minhas próprias ideias. Quero atuar sim e fazer parte da nova política. Dessa política de resgaste de valores, principio, ética, honestidade, transparência. Então eu realmente quero fazer parte dessa nova política. E da boa política. A gente não pode menosprezar o nosso passado. Eu acho que a gente vive de história e a história política da minha família é uma história política de contribuição. Então a todo momento eu tenho que levantar essa questão e dizer que essa boa política foi feita e que eu pretendo realmente fazer parte da nova política.

Considerações finais do candidato
Edinho – Gostaria de agradecer a oportunidade, principalmente para aqueles candidatos que não tem mandato e podem se apresentar de uma forma diferente. Eu percebo uma descrença grande das pessoas na política, Mas o voto é o melhor jeito de fazer as coisas mudarem. É um instrumento democrático. E eu acredito muito no nosso País, na nossa cidade. Nós vivemos na terceira melhor cidade do País. Temos 450 mil habitantes. Uma região de quase 2 milhões de habitantes e temos que acreditar. Eu acredito e coloco meu nome à disposição. Sou candidato à Deputado Estadual e peço seu voto. Meu número é 15023, quero contribuir muito com o desenvolvimento da nossa região. Meu pai já trabalhou e fez muito. Quero continuar fazendo também.

 

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS