Conexão Capivara: Beijo, me liga

Ninguém imaginava que seria diferente: em depoimento ontem (20) na CPI do Lixo, o ex-prefeito de Rio Preto Valdomiro Lopes (PSB) se safou de responder questões técnicas e saiu praticamente ileso do corredor polonês armado pelos vereadores Marco Rillo (PT), Renato Pupo (PSD) e Pedro Roberto (PRP). Foram mais de três horas que podem ser resumidos em uma linha: os secretários é que cuidavam do cumprimento do contrato e nunca nenhuma irregularidade foi comunicada a ele. E olha que os parlamentares tentaram arrancar alguma coisa. Em vão.
Valdomiro começou a oitiva dizendo que não era obrigado a ir até a Câmara – na verdade era sim, sob risco de ser escoltado pela polícia – e que sua presença mostrava transparência e boa vontade em relação ao Legislativo. E afirmou que cuidava das questões mais amplas da cidade, sem tempo e preocupação com as minúcias do contrato do lixo. Um dos poucos momentos tensos foi quando o ex-prefeito, que adora um palanque, começou a falar dos prêmios ambientais conquistados pela sua administração, o que irritou o presidente da CPI Marco Rillo – “não quero saber sobre isso”, disparou o petista. Mas ficou nisso.

Valdomiro negou tudo o que lhe foi perguntado na CPI do Lixo e ainda aproveitou para fazer propaganda do seu governo

Uma das acusações mais graves apuradas pela comissão foi a falta de fiscais e as declarações do ex-secretário de Meio Ambiente Clinger Gagliardi de que a administração apostava na boa-fé da Constroeste. Valdomiro fez constar que nunca foi informado de que havia poucos fiscais na pasta. Sobre uma suposta autorização para que o lixo fosse jogado em área ambiental no Gonzaga de Campos, nova negativa. O ex-prefeito afirmou que jamais autorizou esse despejo e, esperto como ele só, aproveitou a deixa para faturar mais uma vez: destacou que foi autor da Lei dos Sujões e que aumentou em 10 vezes a capacidade de tratamento dos entulhos.
A convocação do ex-prefeito na CPI era mais política do que técnica. Um ato mais simbólico que prático. Com base no que foi apurado, a CPI terá agora até o dia 10 de outubro para entregar o relatório final. Mas o resumo da ópera de ontem foi: Valdomiro se deu por satisfeito em ir à CPI e negar tudo, e a CPI se deu por satisfeita em ouvi-lo e não obter nada. Só faltou se despedirem com um “obrigado, de nada”. Ou então um “beijo, me liga”.

Clique aqui – Confira na íntegra a página impressa desta quinta-feira(21)

SEM COMENTÁRIOS